Três rotas épicas para uma aventura de moto na América do Sul

Continente possui algumas das estradas mais buscadas por motociclistas do mundo para longos percursos em duas rodas

Por: Redação

A América do Sul possui algumas das estradas mais buscadas por motociclistas do mundo para longos percursos em duas rodas. Opções é o que não faltam.

Interoceânica, entre Brasil e Peru

Em 2000, o então presidente Fernando Henrique Cardoso decidiu reunir seus homólogos sul-americanos para discutir um projeto de integração rodoferroviário do continente. Uma das ideias apresentadas por ele foi endereçada aos governos peruano e boliviano: utilizar estradas dos períodos militares dos dois países para construir uma grande ligação entre o Atlântico e o Pacífico — nascia a Interoceânica.

Crédito: DivulgaçãoInteroceânica, que liga o Brasil ao Peru, tem 5,4 mil km e é uma das mais extensas da América do Sul

Precisou de uma década para o projeto ser inaugurado, de fato, entre os países envolvidos: são 5,4 mil km entre o início em Porto Velho, em Rondônia, e o final, no porto de San Juan de Marcona, no Peru.

Segundo o país sul-americano, só em seu território a estrada passada por 51 povos indígenas, 207 pontes e diversos vilarejos e cidades importantes, como Juliaca, Cusco e Puno. É no Peru também que ela atinge 4.735 metros de altitude em relação ao nível do mar — é a rodovia pavimentada internacional mais alta do planeta, superando a Karakoram, entre o Paquistão e a China, na Ásia.

Crédito: Marcelo Vigneron/Expedição InteroceânicaÉ no Peru também que ela atinge 4.735 metros de altitude em relação ao nível do mar

No ano passado, uma empresa peruana de ônibus começou a operar a linha Rio de Janeiro-Lima, que foi considerada a mais longa do mundo, percorrendo 6,3 mil km de extensão e 102 horas, mas os custos operacionais eram tão altos que a conexão rodoviária foi desativada meses depois. Hoje, a Interoceânica é um caminho obrigatório para caminhoneiros e um deleite para motociclistas apaixonados por viajar.

8 PAÍSES PARA VIAJAR APENAS COM O SEU RG

Ruta 40, na Argentina

Uma das estradas mais famosas do continente, a Ruta 40 é também uma das mais longas do planeta: são 5,2 mil km cruzando 11 províncias argentinas, além de 20 parques e reservas naturais, 236 pontes, 27 saídas para o Chile via Cordilheira dos Andes e cenários que vão desde as geleiras, no sul do país, com as salinas, no norte, os bosques de Neuquén ou de Chubut com as árvores de Catamarca e de La Rioja.

Crédito: IStockA Ruta 40, que corta todo o território argentino, é a estrada mais famosa da América Latina

A Ruta 40 começa em Cabo Vírgenes, no extremo Sul de Santa Cruz, e vai até La Quiaca, em Jujuy, no extremo Norte, sendo sempre um contorno rodoviário da Cordilheira, passando tanto por destinos turísticos, como El Calafate e Villa La Angostura, até cidades minúsculas encravadas no interior da Argentina.

Suas principais atrações são o Estreito de Magalhães, a geleira Perito Moreno, a trilha das vinícolas, o Parque Nacional Talampaya e a região dos lagos gelados. As províncias cruzadas são Jujuy, Salta, Tucumán, Catamarca, La Rioja, San Juan, Mendoza, Neuquén, Río Negro, Chubut e Santa Cruz.

Crédito: Estivillml/iStockPaisagem no Parque Nacional de Los Cardones, no norte da Argentina

No entanto, nem tudo são flores (ou bosques, no caso da estrada argentina): depois da geleira Perito Moreno se inicia um dos trechos mais desoladores da estrada, com muitos quilômetros de cascalho. Apesar da paisagem exuberante da Cordilheira à frente, os motociclistas aconselham em fóruns próprios para cruzar o trecho com acessórios especiais, como capacete AGV e luva de couro — há registros de carros atolados que esperam por horas a passagem de um veículo maior.

Crédito: Angelo D'AmicoTrecho de terra da Ruta 40, na região de Salta, na Argentina

“Tinha um precipício do lado da estrada e o vento me jogava toda hora: de vez em quando vinha da direita, outra vinha da esquerda. A moto inclinava e eu fazia um contrapeso. Se eu caísse ali, estava morta. Em um momento desci da moto e comecei a chorar. Daí respirei fundo, pensei que me faltava uma semana de viagem, tomei coragem e segui”, recorda Mariana López — uma professora de ensino fundamental de Córdoba que ficou famosa na Argentina por percorrer toda a Ruta 40 para ensinar geografia aos seus alunos.

Camino a los Yungas, na Bolívia

Estrada da Morte Bolívia
Crédito: Ilosuna/Wikimedia CommonsCarros trafegam pelo Camino a los Yungas, na Bolívia

O Camino a los Yungas, que liga La Paz à cidade de Trinidad, no departamento de Beni, na Bolívia, foi considerado a “pior estrada do mundo” pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em 1995. Trata-se de uma pequena rodovia de mão única que servia como tronco da Ruta 3, uma ligação estrutural da metrópole boliviana com as regiões departamentais.

Estrada da Morte Bolívia
Crédito: StreetFlash/iStockVista panorâmica do Camino a los Yungas, também conhecida como “estrada da morte”, na Bolívia

Hoje um destino turístico, o Camino a los Yungas ocupa um pequeno espaço ao lado de montanha e na fronteira com um desfiladeiro. Em 2006, o governo boliviano inaugurou um novo trecho asfaltado e fechado da pista, direcionando o tráfego pesado e deixando a estrada apenas para motociclistas e ciclistas aventureiros. Os precipícios chegam a 4,6 mil metros de altura em certos pontos, e há registros de quedas em que sequer se consegue ver o que caiu, por causa das nuvens e da neblina.

Estrada da Morte Bolívia
Crédito: The World by Road>/Creative CommonsSinais de quão perigosa é a estrada estão em toda parte

Construída durante os anos 1930 por prisioneiros paraguaios capturados na Guerra do Chaco (1932-1935), o projeto tentou se aproveitar das curvas das montanhas entre as cidades de La Cumbre e Yungas, no departamento de La Paz, e por isso que a rota é repleta de viradas bruscas.

Antes da Ruta 3, o Camino a los Yungas funcionava como única ligação rodoviária entre La Paz e a Amazônia. Segundo motociclistas, entre Coroico, a 80 km de distância de La Paz, e a metrópole boliviana, o perigo é constante. Foi ali, por exemplo, que 100 pessoas morreram em 1983, quando um ônibus perdeu o controle e caiu no abismo.

1
03:32
Viva Chile: um passeio pela beleza da Cordilheira dos Andes
Está com viagem marcada para Santiago e ainda não faz ideia do que fazer na capital chilena? Então, antes de …
2
05:22
Conheça os brinquedos mais radicais dos parques de Orlando
A Catraca Livre foi para a Flórida, nos Estados Unidos, conhecer os parques mais divertidos da região a convite do …
3
03:24
Vovó deixa presídio e ensina como viajar pelo mundo
"As Melhores Surpresas do Mundo" é  o programa que discute as coisas mais inovadoras e surpreendentes que o mundo oferece. -------------------------------------------------------- DIREÇÃO: …
4
02:25
9 lugares incríveis para visitar de graça em Belo Horizonte
O Circuito Liberdade é um grande complexo cultural localizado em Belo Horizonte. Prédios públicos ganharam novos usos para hospedar arte …
5
01:49
9 lugares com uma vista incrível no Rio de Janeiro para você fotografar
Conheça 9 lugares incríveis e de graça para você curtir as paisagens do Rio de Janeiro e ainda tirar fotos …
6
01:31
O que fazer em caso de bagagem extraviada pela companhia aérea?
Um dos maiores medos de que vai pegar o avião é perder a bagagem. Saiba como proceder em uma situação …
7
01:17
Sky Costanera, o maior observatório da América Latina
O Sky Costanera é considerado o maior observatório da América Latina e fica em Santiago, no Chile. Nele é possível …
8
01:01
Zipflyer: a tirolesa só para quem tem MUITA coragem
A Zipflyer, é considerada a maior tirolesa do mundo e fica localizada em Pokhara, no Nepal. Ela conta com 1850 …