Exposição celebra 100 anos de artista refugiada em São Paulo

Por: Redação

No centenário de nascimento da pintora e desenhista Gisela Eichbaum (Mannheim, Alemanha, 1920 – São Paulo, SP, 1996), a mostra apresenta ao público 38 obras da artista refugiada em São Paulo (SP) nos anos 1930.  “Gisela Eichbaum: trabalhos sobre papel 1957 – 1976” é o tema desta primeira exposição temporária do Museu Lasar Segall em 2020.

A visitação acontece do dia 15 de fevereiro até 18 de maio, sempre de quarta à segunda, das 11h às 19h. A entrada é gratuita e livre para todos os públicos.

Gisela Eichbaum em 1938, três anos após mudar-se para São Paulo (SP)

A exposição mostra o papel central que o papel tem como suporte em suas obras, além da preferência da artista por pequenos formatos. De origem judia, Gisela Eichbaum adotou o Brasil como refúgio após conhecer logo cedo, em solo europeu, a experiência da hostilidade e perseguição.

Ela foi uma personalidade que soube como poucos trabalhar o campo do desenho e da cor, alimentando seu trabalho com um universo cromático particular e que o escritor e crítico de arte Geraldo Ferraz chamou de “luminoso sóbrio”.

Crédito: Reprodução/Gisela Eichbaum Abstração CLXXXII , 1971 técnica mista sobre papel 20,7 x 27,4 cm Coleção da família da artista

A linha do tempo de seu trabalho mostra a passagem de Gisela de uma figuração expressionista, durante a década de 1950, para a abstração lírica, com poucos exemplares das obras mais conhecidas de sua produção.

O conjunto de papéis apresentado evidencia um trabalho constante e focado, de uma artista rigorosa, sofisticada e exigente, que fez uso de sua obra para lidar com as angústias do mundo em meio à Segunda Guerra Mundial.

Os quadros nos revelam as profundas trincheiras deixadas na consciência de artistas que, como ela, tiveram de se refugiar em lugares distantes de seus países de origem e lidaram com a experiência da perda de um mundo e a inquietude do encontro de um novo.

Garrafas, copo e fruta, 1959 técnica mista sobre papel 21,5 X 30,9 cm Coleção da família da artista

O VilaMundo é uma parceria da Catraca Livre com o Intsituto Acqua