‘O Pasquim 50 anos’ faz homenagem ao revolucionário jornal carioca

O ar cômico e irreverente d'O Pasquim, que desafiava os preceitos morais da elite carioca, ocupa todo o Sesc Ipiranga

Por: Redação
Até
12
de abril 2020
Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
Terça a sexta, das 9h às 21h30; sábados, das 10h às 21h30; domingos e feriados, das 10h às 18h30

O charmoso Sesc Ipiranga recebe a exposição gráfica “O Pasquim 50 anos“, que comemora o aniversário de meio século do debochado jornal carioca, que se tornou símbolo do jornalismo alternativo durante a Ditadura Militar brasileira (1964-1985).

A exposição ocupa toda a unidade com diferentes formatos que contam a história dos 50 anos do Pasquim.

dois homens olham capas de jornal na montagem da exposição o pasquim 50 anos no sesc ipiranga
Crédito: Guilherme de SousaCom curadoria de Zélio Alves Pinto e Fernando Coelho dos Santos, Sesc Ipiranga comemora cinquentenário da publicação ao revisitar sua história

“O Pasquim 50 anos”

Na área de convivência, a intervenção “O Som do Pasquim” leva discos de vinil lançados ao longo da história do jornal.

Com fones de ouvidos e banquinhos, você pode escutar obras como a primeira gravação de “Águas de Março”, de Tom Jobim, ou Caetano Veloso lançando Fagner e até mesmo Jorge Ben e Trio Mocotó com participação de Leila Diniz.

Na mostra “O Pasquim 50 anos“, ainda rola ouvir o LP “Anedotas do Pasquim” com piadas contadas por Ziraldo, Chico Anisio, Golias e Zé Vasconcelos.

No mesmo espaço musical, uma linha do tempo apresenta 50 capas e textos complementares, que proporcionam uma viagem pelo tempo entre 1969 e 1991, ano da última publicação do jornal.

Nas paredes do solário, no quintal da unidade, frases lema que foram publicadas em todas edições, entre elas “Pasquim, um jornal a favor do contra” e “Na terra de cego quem lê Pasquim é rei” são expostas na expo “O Pasquim 50 anos”.

quadrinhos escolhidos para a mostra o pasquim 50 anos
Crédito: DivulgaçãoJovial e debochado, O Pasquim se tornou símbolo do jornalismo alternativo durante a ditadura civil-militar brasileira, regime instaurado entre 1964 e 1985

Estruturas giratórias que apresentam quadrinhos de diferentes artistas também são destaque na exposição. Cerca de 12 produções inéditas trazem histórias da patota contadas por artistas como Paulo Caruso, Luiz Gê, Miguel Paiva e Pryscila Vieira.

Em uma mesa-vitrine do galpão da exposição “O Pasquim 50 anos”, você pode conferir fotos, livros e revistas selecionados pela curadoria.

Além de poder ouvir histórias dos colaboradores em um telefone e redigir suas ideias em uma máquina de escrever.

Totens em tamanho real espalhados na área principal apresentam nomes como Millôr, Chico Buarque, Caetano Veloso, Vinicius de Moraes, Jô Soares e Elke Maravilha.

Outras duas salas da exposição “O Pasquim 50 anos” brincam em com as diferentes formas que os redatores trabalhavam as temáticas da época.

capa da edição 630 dO Pasquim na exposição O Pasquim 50 anos
Crédito: ReproduçãoO ar cômico e irreverente d’O Pasquim desafiava os preceitos morais da elite carioca

Na sala Pasquim Ativista, cartazes e placas com frases cobrem as paredes e rememoram o comprometimento do semanário com assuntos como a sustentabilidade, anistia e as diretas já.

O segundo espaço de “O Pasquim 50 anos”, chamado Pasquim Incorreto, é composto por módulos que lembram monóculos, e traz recortes de diversos conteúdos que fizeram parte da publicação.

Para conferir toda essa mega exposição “O Pasquim 50 anos”, basta visitar o Sesc Ipiranga até 12 de abril de 2020, de terça a sexta, das 9h às 21h30; sábados, das 10h às 21h30; domingos e feriados, das 10h às 18h30. A entrada é gratuita.

Um pouco de história…

O Pasquim surgiu no final da década de 1960 como um projeto do cartunista Jaguar e dos jornalistas Tarso de Castro e Sérgio Cabral. Seu ar cômico e irreverente desafiava os preceitos morais da elite carioca.

capa da edição 825 do jornal O Pasquim
Crédito: ReproduçãoA exposição gráfica, que conta a história do semanário ocupa toda a unidade do Sesc Ipiranga com diferentes formatos

A publicação tinha reportagens e artigos comportamentais que falavam sobre sexo, drogas e divórcio, conquistavam leitores e promoviam discussões singulares para a época.

Responsável por realizar um jornalismo mais oralizado, o semanário ficou conhecido por suas longas entrevistas, feitas principalmente em ambientes festivos, cheias de intromissões dos colaboradores.

As reuniões de pauta do Pasquim uniam jornalistas, cartunistas e intelectuais como Millôr Fernandes, Ziraldo, Chico Buarque, Vinícius de Moraes, Glauber Rocha, Henfil, entre vários outros.

Com curadoria de Zélio Alves Pinto e Fernando Coelho dos Santos, a abertura da exposição “O Pasquim 50 anos” acontece conjuntamente ao lançamento da página do Jornal na plataforma digital da Biblioteca Nacional, a qual disponibilizará todas as edições do periódico para pesquisa.

Mais grandes exposições na cidade:

1
Almoço perfeito em BH no Mercado Novo
Que a comida mineira é uma delícia, todo mundo já sabe, mas almoço perfeito mesmo, é no Mercado Novo de …
2
Bar da Laje: a melhor vista do Rio de Janeiro
Colaí que hoje o passeio é lá no alto! Vamos subir o Morro do Vidigal para conferir tudo sobre o …
3
Ópera do Arame: símbolo emblemático de Curitiba
Entre lagos, vegetação típica e cascatas, numa paisagem singular, está a Ópera do Arame. Colaí que eu vou te contar porque …
4
Cisne Branco: Espaço cultural flutuante em Porto Alegre
Verdadeiro ícone de Porto Alegre, o barco Cisne Branco é referência quando se fala de rolê flutuante! Colaí pra navegar nessas …
5
As obras de Niemeyer espalhadas por BH
Você sabia que há várias obras de Niemeyer espalhadas por BH? Colaí que eu vou mostrar pra você!
6
Poço da Panela: um roteiro imperdível e relax no Recife
Pensando em roteiros diferentes e alternativos para curtir o Recife? Que tal conhecer o histórico bairro do Poço da Panela? …
7
O melhor acarajé de BH é na Feira Hippie
A Feira Hippie é a maior feira da América Latina! Lá você encontra de tudo, inclusive, o melhor acarajé de …
8
Um pulo na ponta do Humaitá e no Forte de Monte Serrat, em Salvador
Um dos lugares mais charmosos de Salvador, com privilegiada vista da Baía de Todos os Santos e um pôr de …