Starbucks contratará 10 mil refugiados em resposta a Trump

Em resposta às políticas de intolerância da Casa Branca, presidente da Starbucks declara apoio e emprego a refugiados

Por: Redação | Comunicar erro

No último domingo, 29, o presidente da rede de cafés Starbucks, Howard Schultz, anunciou a contratação de 10 mil refugiados para os próximos cinco anos.

A promessa, válida para os 75 países onde a empresa atua, foi feita em resposta à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de barrar a entrada de refugiados de sete países: Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

Howard Schultz, presidente da empresa, rechaçou política contra refugiados e possível desmonte da reforma da saúde nos EUA
Howard Schultz, presidente da empresa, rechaçou política contra refugiados e possível desmonte da reforma da saúde nos EUA

Em meio às polêmicas políticas anunciadas pelo novo mandatário, como o desmonte da reforma da saúde, ou a criação do muro na fronteira com o México, Schultz garantiu cobertura médica aos funcionários, que poderão ser readmitidos no convênio da empresa. Além disso, reafirmou seu compromisso comercial com o México.

Starbucks contra Trump 

Em carta aberta, o empresário reforçou que a Starbucks fará o possível para apoiar os funcionários atingidos pelas novas políticas da Casa Branca. Recentemente, Schultz se envolveu em série de assuntos de relevância pública, chegando a pedir, por exemplo, que seus clientes não levem armas para as lojas da rede. Além disso, também faz campanha por um debate mais contundente sobre as relações raciais no país.

Em abril, Schultz deixa o cargo da presidência para focar suas atenções ao lançamento de novas cafeterias de alto padrão.

Compartilhe: