Marcas fortalecem ações contra violência doméstica no isolamento

País registra aumento no número de mulheres agredidas dentro de casa durante a pandemia de Covid-19

A violência doméstica no isolamento social cresceu – tanto na frequência quanto na gravidade. E fez com que marcas e coletivos investissem ou fortalecessem ações para prevenir e dar apoio a quem sofre agressão dentro de casa.

Duas delas são a Natura e a Avon, que se uniram no movimento #IsoladasSimSozinhasNão.

Campanha Violência Doméstica - Avon e Natura
Crédito: Reprodução/FacebookCampanha busca oferecer auxílio a mulheres em situação de violência doméstica

Catraca Livre criou o projeto Causando, apoiado pelo Carrefour, para mostrar como as marcas desenvolvem e assumem causas.

Lançado pelo Instituto Avon, ele inclui diversas iniciativas. Em parceria com as plataformas Papo de Homem e Quebrando o Tabu, foram produzidos conteúdos digitais e publicados nas redes sociais.

Os materiais vão desde dicas sobre como cuidar da saúde mental durante o isolamento social até informações que ajudam a identificar sinais de relações abusivas.

Avós e netos: o que uma geração pode aprender com a outra?

O que uma geração pode ensinar à outra? No vídeo “Avós e netos”, famílias com experiências de épocas diferentes conversam sobre as mudanças nas relações entre os homens e as mulheres e os papéis que cada um desempenha na sociedade. O resultado é surpreendente e transformador! Esse vídeo faz parte da plataforma “Derrubando Muros e Construindo Pontes”, realizado em parceria com Papo de Homem e Quebrando o Tabu. Quer saber mais? Acesse: https://www.papodehomem.com.br/pontes#QubrandoOTabu #PapoDeHomem #InstitutoAvon #Diálogo

Posted by Instituto Avon on Wednesday, April 22, 2020

Também foi patrocinada uma minissérie de cinco episódios do podcast Mamilos. Cada um deles abordará a história de uma pessoa que superou o ciclo de violência doméstica.

Em países da América Latina, as marcas também aportaram com o movimento – que recebeu a hashtag #AisladasNoSolas.

Mas a maneira de alcançar as mulheres que sofrem violência doméstica ganhou outros contornos. Foram desenvolvidos vídeos de receitas culinárias. Durante a exibição, eles trazem informações para combater as agressões, como telefones de emergência.

Campanha Violência Doméstica - Avon e Natura
Crédito: Reprodução/FacebookComunicação orienta a elaborar estratégia durante isolamento

Ações contra violência doméstica no isolamento

Outras marcas e organizações também investiram ou impulsionaram iniciativas já em curso para ajudar quem passa por situação de violência doméstica. Conheça, a seguir.

Fulanas & Fulanos: O bloco de Carnaval de Diadema (SP) deu início ao movimento Não à Violência contra as Mulheres no Facebook. Busca encorajar quem está em situação de violência doméstica a romper o silêncio e encontrar saídas. Também coloca o homem no centro do debate, para promover uma mudança de comportamento masculino.

Grupo Graiche: A empresa de administração condominial desenvolveu comunicação direcionada a síndicos, profissionais que trabalham em edifícios e condôminos com orientações sobre como proceder em caso de violência doméstica. A campanha incentiva a denúncia de agressões contra as mulheres.

Justiceiras: O projeto, criado pela promotora de Justiça de São Paulo Gabriela Manssur, oferece apoio gratuito e online, por meio do WhatsApp (11 99639-1212), a qualquer mulher, em todo o país, que tenha sofrido violência doméstica ou tenha sido ameaçada pelo companheiro. O movimento conta com 700 voluntárias da área jurídica, psicológica, socioassistencial, médica e para a rede de apoio.

Macho do Século 21 e movimento #OndeEstaoAsMulheres: Juntos, criaram uma campanha para “chacoalhar mentes e comportamentos” durante o isolamento social. Os vídeos convidam homens a pensar em como ocupam o espaço da casa, cuidam dos filhos e se relacionam com as companheiras.

Marisa: Destina 100% da renda de alguns produtos para o projeto Apolônias do Bem, da ONG Turma do Bem, que oferece tratamento odontológico gratuito a mulheres que tenham vivido ou que estejam em situação de violência doméstica.

View this post on Instagram

Você também pode ajudar as mulheres que estão sofrendo violência. Na compra de produtos com esse selo, 100% da renda será revertida ao Projeto Apolônias do Bem. De mulher pra mulher, a nossa união nunca foi tão importante. Junte-se a nós!

A post shared by Marisa (@voudemarisa) on

Polícia Civil de MG: Com o apoio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, desenvolveu um app que traz conteúdos e orientações sobre violência contra a mulher, o MG Mulher. Disponível para sistemas Android e iOS, oferece endereços e telefones mais próximos da localização da usuária e permite que ela crie uma rede colaborativa de contatos confiáveis para serem acionados de forma rápida, que serão alertados por SMS.

Tribunal de Justiça de São Paulo: Lançou o projeto Carta de Mulheres, que visa auxiliar mulheres com informações. Basta acessar o formulário online e uma equipe especializada, formada por profissionais que trabalha na Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário, dará orientações. O serviço é gratuito e oferecido sob sigilo para pessoas em todo o estado de São Paulo.

Anônimo: Não se trata de campanha, mas pode servir de inspiração para ações individuais. Uma pessoa deixou no elevador bilhete para o vizinho agressor, informando que violência contra a mulher é crime. Para a vizinha, ofereceu ajuda: abriu as portas, caso ela decidisse sair de casa.

Compartilhe: