Adolescente afirma ter brincado com Raíssa antes de agredi-la

Em depoimento, garoto de 12 anos que é apontado como responsável pela morte de menina de 9 anos disse que usou as mãos e um graveto de árvore para atacá-la

Por: Redação

Em depoimento à Polícia Civil na madrugada da terça-feira (1), o adolescente de 12 anos que é apontado como responsável pela morte de Raíssa Eloá Caparelli Dadona, de 9, disse ter brincado com a menina no Parque Anhanguera, na região de Perus, zona norte de São Paulo, antes de agredi-la e matá-la.

Imagem mostra adolescente caminhando com Raíssa no dia em que a menina foi morta
Crédito: Reprodução/Polícia CivilImagem mostra adolescente caminhando com Raíssa no dia em que a menina foi morta

Quem revelou o conteúdo do depoimento foi o delegado Luiz Eduardo Marturano, do DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa).

Segundo ele, o garoto de 12 anos afirmou que começou a brigar com Raíssa por algum motivo que não revelou. Passou a agredi-la com as mãos e um graveto de árvore.

Depois, amarrou-a pelo pescoço em uma árvore. Continuou então a agredi-la nas pernas e no rosto até matá-la. Quando foi amarrada, ela ainda estava consciente.

Em seguida, ainda de acordo com o delegado, o adolescente chamou um Guarda Civil Metropolitano e disse a ele que havia encontrado um corpo dependurado em uma árvore.

O garoto ficará em internação provisória de 45 dias na unidade da Fundação Casa do Brás, no centro de São Paulo, até que o inquérito esclareça definitivamente o caso.

Amizade entre o adolescente e Raíssa

A polícia não descarta a participação de uma terceira pessoa no assassinato. O próprio adolescente se contradisse em seus depoimentos. Chegou a mencionar a presença de um homem na hora do crime, mas depois desmentiu essa versão.

A morte de Raíssa, que supostamente tinha autismo, aconteceu no domingo, 29. Ela e o adolescente de 12 anos estiveram juntos em uma festa no CEU (Centro Educacional Unificado) Anhanguera, de onde a menina desapareceu.

Raíssa tinha ido a esse evento, que aconteceu no estacionamento do CEU, em companhia da mãe e do irmão mais novo.

Raíssa e o adolescente moravam perto e vinham convivendo com frequência nos dias anteriores à tragédia.

Os pais do garoto o descreveram como problemático, com um histórico de malcriações com professores. A polícia ainda aguarda um laudo psicológico do adolescente.

Leia também: Professora é estuprada dentro de escola municipal em São Paulo

1
O retrato da violência doméstica no Brasil
Cerca de 13 mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil.  Em uma conta rápida, isso significa 4.750 mortes por …
2
O ambicioso plano de Paulo Guedes para a economia do Brasil
“Transformar o Estado Brasileiro” é o que pretende o ministro da Economia, Paulo Guedes, com o pacote de ações que …
3
O que acontecerá com Lula e outros presos após a decisão do STF?
Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu mudar o entendimento sobre a prisão de condenados em …
4
03:52
No Brasil, 13,5 milhões de pessoas vivem na pobreza extrema
Dados da última edição da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, que analisa a qualidade de vida da população, mostra …
5
03:58
Por que o câncer do prefeito de SP está cada vez mais comum ?
Diagnosticado com um tumor no sistema digestivo, aos 39 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), apresenta um …
6
16:46
Os melhores momentos de Janaína Paschoal no Roda Viva
Convidada do programa Roda Viva da última segunda-feira, 4, a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL) avaliou o atual cenário político …
7
05:28
Obstrução de Justiça pode gerar impeachment de Bolsonaro?
Em meio à polêmica envolvendo Jair Bolsonaro (PSL) no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco, o deputado federal David …
8
05:16
Valério diz que Lula é um dos mandantes da morte de Celso Daniel
O empresário Marcos Valério, operador do mensalão, revelou em depoimento ao Ministério Público de São Paulo que os ex-presidente Lula …