Ana Animal: a ex-moradora de rua que virou atleta profissional

Ela deixou as ruas e as drogas para se tornar a atleta número 1 das corridas em sua categoria

Por: Alessandra Petraglia | Comunicar erro

Uma mulher transformada pelo esporte: esta é a história de Ana Animal, ex-moradora de rua e ex-usuária de drogas. Hoje, aos 55 anos, ela é corredora profissional e acumula com orgulho as medalhas e os troféus que conquistou na modalidade.

Crédito: Alessandra PetragliaAna Animal saiu das ruas e das drogas para viver uma nova vida através do esporte.

O passado

Desde criança, enfrentou as dificuldades de uma vida sem privilégios. Quando nasceu, foi abandonada pela mãe em uma caixa de sapato. Passou pela antiga Fundação Estadual para o Bem Estar do Menor (FEBEM) – atual Fundação Casa – e por lá ficou até completar 16 anos. “Eu sofri muito. Apanhava muito”, recorda.

Quando saiu, teve a oportunidade de ganhar uma família adotiva, mas recusou. Sozinha desde muito cedo, considera que sua vida foi feita para ser compartilhada apenas consigo mesma.

A oportunidade de crescer veio com uma vaga de emprego,  no entanto, a vida assalariada durou poucos meses – até decidir sair e fazer das ruas o seu lar.

Ela não sente vergonha de seu passado. Assume com firmeza ter cometido pequenos delitos e feito uso de drogas. Foi nas ruas que ganhou o apelido de Animal, que aprova e mantém até hoje.

Descobrindo-se atleta

“Eu estava um dia na rua Sete de Abril [centro de São Paulo] com os meus amigos de rua assistindo à televisão e passou o filme ‘Carruagens de Fogo’. Eu dormi e veio a música “pa-na-na-na-na-na/ pa-na-na-na-na”. Aí eu falei: Se eu corro da polícia, posso correr na rua!”

Depois de 34 anos pelas calçadas da capital paulista – sem saber – Ana tomou uma decisão que mudaria sua vida por completo. Determinada, pediu que um amigo roubasse um par de tênis, um shorts e uma camiseta porque ela ia correr. Criou coragem e encarou uma maratona de 42 km sem preparo físico.

Crédito: Alessandra PetragliaUm desejo repentino fez Animal começar a correr

“Eu tenho que correr. Eu tenho que terminar”, era o único pensamento em sua cabeça, afinal, como ela mesma se recorda, tinha que provar para seus colegas de que era capaz.“Fiquei cinco dias com dor no corpo. Dor nas pernas. Dor nos braços. Não podia nem andar”, conta, rindo, ao se lembrar de sua primeira competição.

Pouco tempo depois, foi abordada pelo então secretário de Esporte, Fausto Camunha, que a convidou para entrar em um programa de incentivo à prática esportiva. “Ele tirou da rua eu e os meninos. Eles voltaram.” Ana ganhou um espaço para morar e uma rotina de treinos, junto com tratamentos para superar a dependência química.

Da rua para o mundo

Ela abraçou a oportunidade e, com persistência e incentivo de pessoas queridas, trocou as drogas pelas medalhas – muitas alcançadas no exterior. Cheia de orgulho, ela cita os países que já visitou para competir: “Inglaterra, Japão, Estados Unidos, Argentina, Cuba, Chile, Colômbia, México...”

Animal conquistou o primeiro lugar nos 800m, nos 1.500m, nos 10km e nos 5km do Grand Prix Mercosur no Paraguai. Também foi campeã do New Balance Mile Challenge na categoria 52-60 anos. Repetiu o resultado na Nat Geo Run e na Gay Games de Paris. Nesta última, ela ficou consagrada como a primeira brasileira a conquistar uma medalha de ouro na competição. “Se não fosse o esporte, acho que eu estava na cadeia ou morta”, declara.

Seu jeito autêntico e “sem cerimônias” ajudou-a na superação de preconceitos. No entanto, reconhece que a infância dura fez com que ela se tornasse uma pessoa fechada na demonstração de carinho. Apensar disso, Animal talvez não perceba seu sorriso caloroso –  que esteve sempre presente em sua face entre uma fala e outra.

Sumit 2019

Ana Animal compartilhou suas experiências em um dos painéis do no Sumit 2019, evento promovido pelo espnW, portal de notícias da ESPN com foco no público feminino.

Crédito: Alessandra PetragliaOlga Rodrigues, atleta profissional de eSports, também compartilhou sua história de superação no evento.

Olga Rodrigues, mulher trans e jogadora profissional de Counter-Strike: Global Offensive – um dos esportes eletrônicos (eSports) mais populares do mundo – também participou do encontro. Na ocasião, ela falou sobre as dificuldades que enfrentou em sua transformação, assim como os desafios na consolidação de seu espaço no esporte.

Compartilhe:

Autor: Alessandra Petraglia

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …