Bolsonaro desperta avalanche de críticas após barrar vacina chinesa

Nas redes sociais, o argumento é que presidente coloca ideologia acima da ciência mais uma vez

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Uma enxurrada de reações inundou o Twitter nesta quarta-feira, 21, depois que o presidente Jair Bolsonaro publicou em suas  redes sociais que o governo brasileiro não comprará a vacina chinesa produzida em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo.

O afirmação veio um dia depois de o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, anunciar acordo para aquisição de 46 milhões de doses, que seriam distribuídas em todo o Brasil.

bolsonaro diz que não comprará vacina

A justificativa para a não aquisição da vacina CoronaVac, segundo Bolsonaro, é que não existe razões para comprar imunizante sem eficácia comprovada.

Vale lembrar, no entanto, que o governo brasileiro já fechou acordo com outras vacinas ainda em testes. Para o imunizante da Universidade de Oxford, ainda sem comprovação, uma medida provisória (MP) destinou R$ 1,9 bilhão.

No Twitter, inúmeros usuários apontaram contradição no argumento do presidente, já que ele tentou emplacar a cloroquina no tratamento da covid-19 sem comprovação científica alguma.

“PARABÉNS PRESIDENTE, a cloroquina não tinha nenhuma comprovação científica e tu queria tacar no povo, agora a vacina destinada ao combate ao corona vírus, não pode”, comentou uma usuária.

A vacina chinesa CoronaVac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, é a grande aposta do governador paulista João Doria, desafeto de Bolsonaro. Por isso, muitas críticas apontam que o veto seria por conta da rixa política.

Além disso, a China está entre os inimigos comunistas declarados por Jair Bolsonaro. Ele também, por diversas vezes, disse que estava convencido de que o coronavírus era um plano do governo chinês, teoria que seus apoiadores compraram durante a pandemia.

Com a decisão, Bolsonaro desautoriza mais um de seus ministros da saúde. De acordo com o colunista do jornal O Globo Lauro Jardim, Bolsonaro teria manifestado a auxiliares sua insatisfação com Pazuello. “Está querendo aparecer demais, está gostando dos holofotes, como o Mandetta”, teria afirmado o presidente.

Enquanto Bolsonaro não alinha o discurso com o Ministério da Saúde, as críticas inundam as redes sociais. Confira algumas das reações no Twitter: