Publicidade

Informar

Bolsonaro diz que ‘não entende’ de economia e vídeo viraliza

Pré-candidato desconversa quando questionado sobre metas de inflação e fiscal e câmbio flutuante

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Segundo colocado nas pesquisas de opinião, com 13% das intenções de voto para presidente, o deputado Jair Bolsonaro (PSC) admitiu que não entende de economia e disse ver um “exagero” em cobrar esse tipo de coisa de um presidenciável.

Jair Bolsonaro

As afirmações foram feitas durante entrevista à jornalista Mariana Godoy, da RedeTV!, quando um telespectador perguntou ao pré-candidato sobre o “tripé macroeconômico”, formado por câmbio flutuante e metas de inflação e fiscal. O deputado saiu pela tangente: “Quem vai falar de economia por mim é minha equipe econômica do futuro”.

Na sequência, Mariana Godoy pergunta se ele já está montando sua equipe. O pré-candidato diz que está, mas não cita nomes.

“O que o pessoal exige de mim de entendimento em economia, então teria que exigir o conhecimento em medicina: eu vou indicar o ministro da Saúde. Tem que ter um entendimento em questão de Forças Armadas: vou indicar o ministro da Defesa. O entendimento na questão da agropecuária: vou indicar o ministro da Agricultura. Então é um exagero nessa parte aí. Você pode ver, dos cinco presidentes militares, qual deles era formado em economia? Nenhum. E trouxeram o Brasil da 49ª para a 8ª economia do mundo.”

A apresentadora fica espantada e corrige o entrevistado: “Oi?! Não! Eles deixaram o Brasil com muita inflação, fizeram a dívida externa do jeito que ficou”.

Bolsonaro tenta consertar desconversando: “Mas olhe a infraestrutura deixada por eles, inclusive nas telecomunicações”.

Assista ao vídeo:

  • Leia também:

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade