Campanha #CarnavalSemAssédio luta por respeito na folia

Use a hashtag nas redes sociais e ajude a quebrar o silêncio

Por: Heloisa Aun | Comunicar erro

Passadas de mão, beijos à força, puxões no cabelo e outras investidas sem consentimento não podem ser encaradas como algo natural no Carnaval. 

Por isso, o Catraca Livre lança a campanha #CarnavalSemAssédio, idealizada em parceria com a revista AzMina, os movimentos #AgoraÉQueSãoElas e Vamos Juntas?, o Bloco Mulheres Rodadas, a advogada de direitos humanos Andrea Florence e a arquiteta e urbanista Marília Ferrari.

Campanha luta contra o machismo e a violência no Carnaval

O objetivo da campanha é lutar contra a violência e o machismo, promovendo a discussão de que assédio é assédio em qualquer época do ano.

Você já viveu algum caso de abuso sexual durante a folia? Compartilhe a sua história nas redes sociais com a hashtag #CarnavalSemAssédio e ajude a quebrar o silêncio.

Participe da iniciativa usando a hashtag #CarnavalSemAssédio

Leia outros relatos, assista ao vídeo com depoimentos sobre situações abusivas que mulheres já enfrentaram no Carnaval e confira a marchinha feminista:

Há dois anos eu fui num bloquinho de rua e senti alguém passando a mão na minha bunda. Olhei pra trás e tinha um cara de uns 50 anos me secando. Mandei ele à m****. Ele e o amigo vieram pra cima de mim querendo me bater e ninguém em volta fez nada. Saí correndo e não fui embora mal. Esse ano eu queria muito um #CarnavalSemAssédio.

No ano passado estava com minha namorada em um dos bloquinhos na Vila Madalena, junto com alguns outros amigos. Além do desconforto de nos puxarem o tempo todo e não nos respeitarem, mesmo estando de mãos dadas, um indivíduo sem camisa se sentiu no direito de vir para cima de nós pedindo para “participar” e insistindo que nós o beijássemos. Ficamos tão nervosas e provavelmente o fulano até nos xingou depois. Que em 2016 tenhamos um #CarnavalSemAssédio, sem machismo e também sem homofobia.

No Carnaval de 2013, eu estava num bloco de rua em São Paulo com uma amiga gringa e um cara bêbado me abordou. Quando ele se aproximou, eu esquivei, mas ele segurou meu braço e me empurrou contra uma Kombi, tentando me beijar à força. A minha amiga o empurrou e a gente correu. Depois, ele saiu gritando e nos xingando.

Compartilhe:

Autor: Heloisa Aun

Feminista, vegetariana e repórter de Cidadania no Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)

1 / 8
1
07:26
STF e o limite da liberdade de expressão
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, anunciou em março a abertura de um inquérito para investigar casos …
2
01:03
Ex-presidente do Peru tenta suicídio após receber ordem de prisão
O ex-presidente do Peru Alan García morreu nesta quarta-feira,17, após atirar contra si mesmo em uma tentativa de suicídio em …
3
04:17
32% acreditam que câncer é causado por traumas, diz pesquisa
O jornal Folha de S. Paulo divulgou uma pesquisa feita pelo Instituto Oncoguia que revela uma situação preocupante: 32% dos …
4
04:45
Famosos fazem desabafo sobre depressão
Recentemente, o humorista Whindersson Nunes publicou uma série de posts em sua rede social desabafando sobre um sentimento profundo de …
5
01:32
Quem disse que não dá para surfar na cidade?
A Surf House Brasil é o lugar perfeito para você quer aprender a surfar ou ficou com saudade de pegar …
6
01:45
Catedral de Notre Dame: 8 séculos de história queimam em Paris
Um incêndio de grandes proporções atingiu a Catedral de Notre Dame, em Paris. O local é um dos pontos turísticos …
7
02:29
Vídeo analisa a maior irresponsabilidade na vida de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro mandou desativar os radares de rodovias federais. Será que é uma boa ideia? A Folha de São …
8
05:43
Entenda a proposta de Bolsonaro para a educação domiciliar
O presidente Jair Bolsonaro assinou o projeto de lei que pretende regulamentar a educação domiciliar no país. Se aprovada pelo …