Como campanhas usaram telefones em ‘disparos em massa’?

Serviços custam até R$ 1.300 e são facilmente encontrados e ensinados

Por: Redação | Comunicar erro
whatsapp
Crédito: Anton/PexelCampanhas usaram telefones em ‘disparos em massa’ do WhatsApp

Para ganhar eleitores, telefones de usuários do Facebook foram usados por campanhas em ‘disparos em massa’ no WhatsApp. As ferramentas custam até R$ 1.300 e são facilmente encontradas e ensinadas na internet, com ou sem nota fiscal, evitando rastros em prestações de conta.

As informações são da BBC. Segundo a reportagem, campanhas políticas obtiveram neste ano programas capazes de coletar os números de telefones de milhares de brasileiros no Facebook e utilizaram os dados para criar grupos e enviar mensagens em massa automaticamente no WhatsApp.

Existem muitos vídeos explicativos no YouTube e nos sites das empresas que oferecem esses serviços, acessíveis mesmo para quem não tem muita familiaridade com computadores. Vendedores de empresas de cosméticos e de nutrição eram os principais compradores desses aplicativos.

Os usuários que podem ter tido seu número de telefone “garimpado” por esses programas têm esse dado em configuração pública. Quem opera o programa escolhe o público-alvo no Facebook (por palavras-chave, páginas ou grupos públicos) e dá início à coleta dos dados em uma planilha.

É possível reunir quase mil telefones de usuários em menos de dez minutos e de dez cliques, já segmentados por curtidas na página de determinado candidato, gênero e cidade, e criar automaticamente grupos com até 256 pessoas cada a partir da lista dos telefones coletados.

Em geral, a criação dessas listas usa quatro estratégias: coleta de dados por meio de robôs, telefones informados voluntariamente por simpatizantes ou clientes, compra de bases de dados vendidas legalmente (como a da Serasa) ou furto de informações de empresas telefônicas.

Crédito: iStockCampanhas usaram telefones em ‘disparos em massa’ do WhatsApp

A reportagem ouviu testemunhas que foram incluídas em grupos brasileiros de extrema-direita sem consentimento. Um marqueteiro também admitiu ter usado bancos de dados para criar grupos e também para disparos individuais.

Acompanhe outros conteúdos ligados às eleições deste ano nesta página especial

Compartilhe:

1 / 8
1
08:30
Intercept: os principais pontos do depoimento de Moro no Senado
O ministro da Justiça, Sergio Moro, prestou esclarecimentos em audiência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado) sobre …
2
04:04
E se Carlos Bolsonaro fosse gay?
O ex-deputado Jean Wyllys fez uma série de posts em sua rede social apontando que Carlos Bolsonaro, o filho 02 …
3
03:02
Empresas usaram disparos no WhatsApp durante eleição de Bolsonaro
Uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo mostra que empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para …
4
01:49
Senado diz não e derruba o decreto de armas de Bolsonaro
O Senado votou na terça-feira, 18, o parecer que pede pela suspensão dos decretos que flexibilizam o porte e a …
5
03:54
Bancada do PSL passa vergonha ao convocar e desconvocar Glen Greenwald
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) apresentou na quarta-feira, dia 12, um requerimento na Comissão de Segurança Pública da Câmara …
6
03:48
O melhor jornal do mundo faz a pior reportagem para Bolsonaro
Essa é a pior reportagem já publicada num jornal estrangeiro contra Jair Bolsonaro. Por dois motivos: saiu no mais importante …
7
03:47
A estranha conexão entre o caso Najila Trindade e Sérgio Moro
O jornalista Gilberto Dimenstein publicou em sua coluna no site Catraca Livre um texto em que conecta dois casos de …
8
03:04
Entendas os possíveis impactos do vazamento das mensagens de Moro
O site The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, …