Damares diz que menina de 10 anos estuprada deveria ter feito cesárea

A ministra também criticou o cirurgião que fez o aborto na menina estuprada pelo tio desde os seis anos

Por: Redação
Ouça este conteúdo

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que a menina de 10 anos que foi estuprada pelo tio no Espirito Santo deveria ter levado a gravidez adiante e feito uma cesárea.

A polêmica declaração foi dada ao programa “Conversa com Bial”, exibido na madrugada desta sexta-feira, 18.

Damares Alves
Crédito: Reprodução/TV GloboDamares criticou o cirurgião que fez o aborto e diz que menina estuprada deveria ter passado por cesárea

“Os médicos do Espírito Santo não queriam fazer o aborto, eles estavam dispostos a fazer uma antecipação de parto. Mais duas semanas, não era ir até o 9 mês, Bial, a criança ficar nove meses grávida, conversa com os médicos. Mais duas semanas poderia ter sido feita uma cirurgia cesárea nessa menina, tirar a criança, colocar numa encubadora, se sobreviver, sobreviveu. Se não, teve uma morte digna.”


A diferença entre Sara Winter e Felipe Neto no caso da menina estuprada

Menina de 10 anos ganha muitos presentes no hospital apos procedimento

Menina de 10 anos ganha alta hospitalar após interromper gestação

Whindersson oferece tratamento psicológico à criança grávida por estupro

Após atender menina estuprada, médico diz que nunca foi tão hostilizado


A ministra também criticou o médico Olímpio Moraes Filho, que realizou o aborto na menina com autorização da Justiça em um hospital de Recife (PE).

” Eu acredito que o que estava no ventre daquela menina era uma criança com quase seis meses de idade e que poderia ter sobrevivido. Discordo do procedimento do Dr. Olímpio, mas discordo de tudo o que aconteceu em torno dessa criança”, disse Damares a Pedro Bial.

Damares também falou sobre a investigação de dois de seus assessores que são suspeitos de terem vazado a identidade e a localização do hospital onde a menina passaria pelo aborto. A ministra diz botar a mão no fogo de que não foram eles os responsáveis.

Dezenas de militantes antiaborto foram à porta do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam-UPE) tentar impedir a interrupção da gravidez da menina de 10 anos.

“A nossa equipe foi à cidade com um deputado estadual e as três reuniões que fizemos lá foram com muitas pessoas juntas na delegacia, no Conselho Tutelar e na Secretaria de Ação Social. Em momento algum os profissionais disseram para os nossos técnicos o nome dessa menina”, afirmou Damares.

Compartilhe: