‘Desesperador’, diz médica picada por jararaca em cachoeira no MT

Dieynne Saugo foi picada no rosto e no pescoço quanto tomava banho em uma cachoeira de Nobres

Por: Redação
Ouça este conteúdo

A médica Dieynne Saugo, 33 anos, que foi picada por uma cobra jararaca em uma cachoeira na cidade turística de Nobres (MT), no fim de agosto, contou detalhes o momento em que foi atacada pela serpente. Em entrevista ao programa “Fantástico”, da TV Globo, ela relatou que a dor era insuportável e que chegou a ter hemorragia.

“Foi desesperador porque a dor era insuportável. Meu braço começou a inchar, eu comecei a vomitar sem parar, ter hemorragia”, disse Dieynne, que é conhecida nas redes sociais como Dra. Fit.

médica jararaca
Crédito: Reprodução/InstagramA médica Dieynne Saugo foi picada por uma jararaca no rosto e no pescoço quanto tomava banho em uma cachoeira de Nobres

A médica contou que não conseguiu ver exatamente de onde a jararaca caiu sobre ela.

“Eu vi ela entrando no colete. Na tentativa de me proteger, quando eu tirei eu saí nadando, gritando”. Dieynne disse ter levado a primeira picada no rosto.

“Eu só senti ela caindo próximo do meu pescoço. A primeira picada foi nessa região (apontando para o rosto). Logo em seguida, eu fui com a mão esquerda tirar e foi quando eu tomei duas picadas na mão”.

A médica contou ainda ao “Fantástico” que foi apresentar ao novo namorado e a um casal de amigos o lugar que ela considera um dos mais bonitos do Brasil, um parque ambiental que fica a 12 quilômetros de Cuiabá.

No meio do caminho, eles receberam um aviso que, até então, não parecia perigoso: turistas que vinham da Cachoeira Serra Azul avisaram ter visto uma cobra no local.

Vaquinha virtual

A médica ficou nove dias internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ela passou por três cirurgias em 10 dias e não corre mais o risco de amputar parte do braço.

Nas redes sociais, Dieynne agradeceu o apoio e pediu contribuições para a vaquinha virtual organizada pela família para custear os gastos com tratamento. A arrecadação já passou de R$ 212 mil, mas tem como meta R$ 300 mil.

A médica também publicou fotos dos ferimentos e as consequências das picadas da jararaca no pescoço e no braço.

Compartilhe: