Empatia: ‘Amor de mãe não é automático’, diz mãe em post

O blog Mundo Ovo traz um novo olhar para a maternidade, com posts densos sobre assuntos variados. Nina Ribeiro é mãe do Martin e recentemente contribuiu com uma publicação que levou o seguinte título: “Amor de Mãe não é Automático”.

Contrariando o mito do amor imediato, que não é comum para todas as mães, Nina é muito sincera ao dizer: “Eu não amei meu filho ainda na barriga. Quando ele nasceu, eu nem tive tempo de amar direito. Entrei no modo preciso-manter-esse-bebê-vivo-a-qualquer-custo que eu não sei se é algo instintivo ou não”.

“Ninguém é menos mãe porque não amou o filho automaticamente”, conclui a autora da publicação.

A ideia de que toda mulher ama o filho assim que ele nasce ou mesmo antes disso é imposta como uma verdade absoluta no mundo materno, no entanto, não é bem assim que acontece. Não sempre.

“Quando meu filho nasceu, eu esperei ser automaticamente esmagada pelo sentimento e, bem, não foi bem assim”, diz Nina referindo-se à expectativa do pós-parto e da pressão para que fosse da forma como muitas mulheres relatam.

Mas ninguém é igual a ninguém, e nenhuma experiência de maternidade é igual à outra. Para algumas mulheres é sim um sentimento automático, mas para outras é um processo, uma conquista – como aconteceu com a autora do texto: “o amor veio depois, aos poucos, devagarinho e quase de surpresa”, relata.

Foi durante uma mamada que Nina entendeu. “Ele, o bebê, me olhou enquanto mamava, de um jeito especial que é só dele e eu me senti preenchida de amor. Foi uma sensação física, como se o amor fosse concreto” – conta.

Nenhuma mulher é igual, logo, nenhuma mãe vai ser igual à outra. E assim também é com as experiências de maternidade, que são diferentes para cada uma.

O post traz trechos tocantes e verdadeiros, traz compreensão, empatia e sororidade. A autora conclui que, para cada mulher, este inexplicável aparece de uma forma e num tempo diferentes, por razões diferentes. Também tem mães que não sentem. E está tudo bem.

Afinal de contas, “amar não é fácil. Amar incondicionalmente, como se espera das mães, é mais difícil ainda”, como ela mesma defende. Por fim, ela diz: “ninguém é menos mãe porque não amou o filho automaticamente”.

Para conferir o post na íntegra, clique aqui.

Leia mais:

1 / 8
1
03:05
Bolsonaro dá tiro no pé ao nomear Eduardo para embaixada
O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, Eduardo Bolsonaro, para a embaixada do Brasil nos …
2
02:31
Deltan usou Lava Jato para pedir férias de graça no Beach Park
Novos diálogos divulgados pelo jornal Folha de S. Paulo em parceria com o site The Intercept Brasil mostram que o …
3
02:09
Maioria reprova mudanças para o trânsito propostas por Bolsonaro
De acordo com uma pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo, dia 14, a maioria da população reprova o projeto de lei …
4
02:00
Jair Bolsonaro volta a defender filho Eduardo na embaixada nos EUA
Alvo de críticas desde a última semana por indicar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, …
5
04:13
Eduardo Bolsonaro ganha bolsa embaixada de seu pai
O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que pretende indicar seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, como embaixador do …
6
06:27
Previdência: entenda como pode ficar a sua aposentadoria
A Câmara dos Deputados aprovou com 379 votos o texto-base da reforma da Previdência. No entanto, a proposta ainda pode …
7
01:58
Desastre na Bahia: Barragem se rompe e moradores deixam suas casas
Uma barragem se rompeu na cidade de Pedro Alexandre, a 435 quilômetros de Salvador, na Bahia, na manhã desta quinta-feira, …
8
16:59
Glenn no Senado: confira os principais momentos do depoimento
O jornalista Glenn Greenwald, editor do portal The Intercept Brasil, foi ao Senado prestar esclarecimento sobre o vazamento das mensagens …