Empatia: ‘Amor de mãe não é automático’, diz mãe em post

O blog Mundo Ovo traz um novo olhar para a maternidade, com posts densos sobre assuntos variados. Nina Ribeiro é mãe do Martin e recentemente contribuiu com uma publicação que levou o seguinte título: “Amor de Mãe não é Automático”.

Contrariando o mito do amor imediato, que não é comum para todas as mães, Nina é muito sincera ao dizer: “Eu não amei meu filho ainda na barriga. Quando ele nasceu, eu nem tive tempo de amar direito. Entrei no modo preciso-manter-esse-bebê-vivo-a-qualquer-custo que eu não sei se é algo instintivo ou não”.

“Ninguém é menos mãe porque não amou o filho automaticamente”, conclui a autora da publicação.

A ideia de que toda mulher ama o filho assim que ele nasce ou mesmo antes disso é imposta como uma verdade absoluta no mundo materno, no entanto, não é bem assim que acontece. Não sempre.

“Quando meu filho nasceu, eu esperei ser automaticamente esmagada pelo sentimento e, bem, não foi bem assim”, diz Nina referindo-se à expectativa do pós-parto e da pressão para que fosse da forma como muitas mulheres relatam.

Mas ninguém é igual a ninguém, e nenhuma experiência de maternidade é igual à outra. Para algumas mulheres é sim um sentimento automático, mas para outras é um processo, uma conquista – como aconteceu com a autora do texto: “o amor veio depois, aos poucos, devagarinho e quase de surpresa”, relata.

Foi durante uma mamada que Nina entendeu. “Ele, o bebê, me olhou enquanto mamava, de um jeito especial que é só dele e eu me senti preenchida de amor. Foi uma sensação física, como se o amor fosse concreto” – conta.

Nenhuma mulher é igual, logo, nenhuma mãe vai ser igual à outra. E assim também é com as experiências de maternidade, que são diferentes para cada uma.

O post traz trechos tocantes e verdadeiros, traz compreensão, empatia e sororidade. A autora conclui que, para cada mulher, este inexplicável aparece de uma forma e num tempo diferentes, por razões diferentes. Também tem mães que não sentem. E está tudo bem.

Afinal de contas, “amar não é fácil. Amar incondicionalmente, como se espera das mães, é mais difícil ainda”, como ela mesma defende. Por fim, ela diz: “ninguém é menos mãe porque não amou o filho automaticamente”.

Para conferir o post na íntegra, clique aqui.

Leia mais:

Compartilhe:

1 / 8
1
02:52
Bolsonaro diz que vai indicar Sergio Moro para vaga no Supremo
O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu em indicar o ministro Sergio Moro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A …
2
03:41
Movimentos estudantis convocam ato contra os cortes na educação
Um ato marcado para esta quarta-feira, 15 de maio, promete mobilizar secundaristas, universitários, pós-graduandos, professores e outros profissionais contra os …
3
06:06
A construção do papel de mãe para quem opta pela adoção
O depoimento de Rosangela Ferreira faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade tem …
4
06:33
O drama de retornar ao trabalho após a licença maternidade
O depoimento de Maria da Conceição faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade …
5
05:41
A solidão por trás da maternidade e da depressão pós-parto
O depoimento de Leticia de Angelis faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade …
6
03:04
Bolsonaro flexibiliza ainda mais o porte e a posse de armas
O presidente Jair Bolsonaro decidiu flexibilizar ainda mais o porte e a posse de armas. Entre as mudanças propostas por …
7
03:14
O que está acontecendo com a Educação no governo Bolsonaro?
Era uma das promessas de campanha de Jair Bolsonaro: cortar verbas do ensino superior, para investir na educação básica. Mas …
8
03:35
Olavetes x Militares: Santos Cruz vira alvo de Bolsonaro
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, general Santos Cruz, recebeu uma série de ataques nas redes sociais por parte …