Funcionária da USP assume culpa em morte de aluno

Filipe Varea Leme, 21 anos, foi encontrado morto em abril de 2019 no prédio da Escola Politécnica

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Uma funcionária da USP (Universidade de São Paulo) assumiu a culpa pela morte de Filipe Varea Leme, 21 anos. O estudante de geografia encontrado morto no ano passado em um prédio da Poli (Escola Politécnica).

A supervisora do aluno assinou um acordo na Justiça, no início de outubro, em que admite negligência e se compromete a cumprir pena de prestar serviços comunitários por oito meses. A informação é do UOL

USP
Crédito: 1_6a2f7w0ctch7ekhqtdju67xyb-20144637Filipe Leme, estudante de geografia da USP, foi encontrado morto na Poli

Filipe e outro colega davam expediente como monitores de informática na Poli quando foram orientados pela supervisora a deixarem suas funções para ajudar um professor a mudar um armário de sala, embora a instituição conte com uma equipe de manutenção.

Segundo o UOL, o corpo do estudante foi encontrado dentro de um elevador de deficientes, encurralado pelo armário de livros, que, ao se movimentar com o elevador, esmagou o pescoço do rapaz.

A promotora do caso, Amaitê Iara Giriboni de Mello, analisou provas e confirmou que a “negligência” da supervisora resultou em homicídio culposo –quando não há intenção de matar.

Amaitê propôs assinatura de um Acordo de Não Persecução Penal, em vigor desde o ano passado, após a aprovação do “pacote anticrime” (Lei n°13.964/2019).

Pela nova regra, o Ministério Público pode propor ao investigado que confesse o delito em troca de não ter seu caso levado à Justiça.

A supervisora de Filipe aceitou a proposta e admitiu sua responsabilidade. No dia 2 de outubro, a juíza Aparecida Angélica Correia ratificou o acordo.

Compartilhe:

Tags:#Crime