Últimas notícias:

Loading...

Jornalista da GloboNews chora ao vivo comentado a morte de Kathlen

"Eu não sei mais quantas lágrimas a gente vai ter que derramar em razão dessa tragédia cotidiana, é muito duro", afirmou Flávia Oliveira

Por: Redação

A jornalista Flávia Oliveira não conteve a emoção e chorou durante sua participação, ao vivo, na GloboNews, nesta quarta-feira, 9, ao comentar a morte de Kathlen Romeu, de 24 anos, que estava grávida e foi vítima de um tiroteio em uma ação da Polícia Militar do Rio de Janeiro na comunidade do Lins, localizada na Zona Norte da capital fluminense.

Jornalista Flávia Oliveira e Kathlen em stories do Instagram
Crédito: Reprodução/GloboNewsJornalista da GloboNews chora ao vivo comentado a morte de Kathlen

Durante o “Estúdio i”, a jornalista pediu desculpas ao já começar a falar emocionada, enxugando algumas lágrimas.

“Muito difícil, peço desculpas a você [Maria Beltrão] e aos meus colegas, mas é muito difícil ouvir o que a gente está ouvindo, assistir o que a gente tem assistido no Rio de Janeiro, esse lugar que é o cenário, o ambiente de uma ‘necropolítica de segurança pública.’ Diariamente a gente chora mortes de crianças, jovens, policiais e agora também de mulheres e bebês”, disse Flávia Oliveira.

Namorado de jovem grávida morta no Rio desabafa nas redes sociais: ‘Sem chão’

Em seguida, a jornalista citou dados do Instituto Fogo Cruzado para demonstrar que sua indignação é fruto de uma conduta policial corriqueira e não um caso isolado. Segundo a plataforma, que acompanha ocorrências violentas no Rio de Janeiro, nos últimos cinco anos, 15 mulheres grávidas foram baleadas na região metropolitana da cidade e dessas, oito morreram.

“É impossível não se emocionar com essa história, a Kathlen era o projeto de vida de uma família, de uma avó, de um pai, de uma mãe. Tinha a mesma idade da minha filha, ela faria 25 anos, minha filha já completou. Eu sei o que é ser uma mãe negra, botar uma filha negra no mundo, e lutar pela educação delas. Eu sou filha também de uma mulher negra. É muito difícil lidar com uma situação tão dramática, tão desnecessária, uma violência gratuita que não tem produzido melhora na sensação de segurança, não tem produzido ressocialização de criminosos, redução do crime organizado. Ela só tem produzido luto em famílias negras de favelas, principalmente, mas também em famílias negras de policiais”, disse a jornalista.

“Eu não sei mais quantas lágrimas a gente vai ter que derramar em razão dessa tragédia cotidiana, é muito duro”, finalizou Flávia Oliveira.

Compartilhe: