Menina de 11 anos engravida após estupro e padrasto é suspeito

A gestação de 8 semanas foi descoberta por agentes de saúde; Assim como no caso da menina de 10 anos, vítima tem direito ao aborto legal

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Uma menina de 11 anos engravidou após ser vítima de estupro, no Espírito Santo. O padrasto da vítima e o companheiro da avó são os suspeitos, segundo informou a Polícia Cívil. As informações foram obtidas pelo portal G1.

menina estupro
Crédito: Istock/chameleonseyeMenina de 11 anos engravida após estupro e padrasto é suspeito

O caso corre em segredo de Justiça por envolver uma pessoa menor de idade e em respeito ao que determina o Art. 17 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

O município onde a criança mora não será revelado na reportagem, para preservar a identidade e a segurança da vítima e não acorrer como aconteceu com a menina de 10 anos estuprada pelo tio.

A menina de 11 anos teve a gestação de 8 semanas descoberta após um atendimento realizado em uma unidade de saúde da região. Ela está em acompanhamento com uma equipe de Serviço Social do município onde, recebendo apoio de um psicólogo.

Assim como no caso da menina de 10 anos, ela tem direito ao aborto legal.

Exames indicaram que menina de 11 anos teve deslocamento de placenta, informou um procurador da região. Ainda de acordo com ele, a ela já está hospitalizada para interromper a gestação.

O padrasto negou o crime, mas teve a prisão preventiva mantida enquanto as investigações estiverem em andamento.

Pelo segredo de Justiça, a Polícia Civil segue com a investigação, mas outras informações não serão divulgadas, nem mesmo pela Secretaria da Saúde (Sesa) e pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES).

Identifique os possíveis sinais de um abuso

Não é fácil notar sinais físicos de um abuso sexual, mas é possível que a criança tenha alterações no seu comportamento, como: irritação, ansiedade, dores de cabeça, alterações gastrointestinais frequentes, rebeldia, raiva, introspecção ou depressão, problemas escolares, pesadelos constantes, xixi na cama e presença de comportamentos regressivos (por exemplo, voltar a chupar o dedo). Outro sinal de alerta é quando a criança passa a falar abertamente sobre sexo, de forma não-natural para a sua idade, física e mental.

Se você notar algum desses sinais, tome cuidado com a sua reação, porque ela pode fazer com que a criança se sinta ainda mais culpada. O importante é apoiar a criança, escutar o que ela tem a dizer e não duvidar da sua palavra. Busque ajuda e orientação profissional para que o seu filho consiga falar sobre o ocorrido e lidar com o fato.