Menina morre atingida por bala perdida no sofá de casa no Rio

Anna Carolina de Souza Neves, de 8 anos de idade, é a primeira criança assassinada vítima de bala perdida no Rio de Janeiro em 2020

Por: Redação
Anna Carolina de Souza Neves
Crédito: Reprodução / FacebookAnna Carolina de Souza Neves tinha apenas 8 anos de idade

Anna Carolina de Souza Neves, de 8 anos de idade, é a primeira criança assassinada por bala perdida no Rio de Janeiro em 2020. A menina morreu na madrugada desta sexta-feira, 10, depois de ser atingida na cabeça quando estava no sofá de sua casa no bairro Parque Esperança, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Segundo reportagem de Guilherme Santos e Isabella Vilela, da TV Globo, moradores abordaram os policiais enquanto eles passavam pela Avenida Joaquim da Costa Lima. Neste momento, o pai da vítima apareceu com a criança no colo e a levou até a viatura. Os agentes encaminharam Anna Carolina até o Hospital de Saracuruna, mas ela não resistiu aos ferimentos.

A família contou à Polícia Militar que ouviram disparos pouco antes da menina ser baleada, mas a corporação informou que não havia operação na região.

Segundo informações do Fogo Cruzado, um laboratório de dados sobre violência armada, 112 crianças e adolescentes foram baleados no Grande Rio em 2019. Destes, 60 morreram. Ao todo, 58 crianças e adolescentes foram baleados em situações onde houve a presença de agentes de segurança.

Veja abaixo mais dados divulgados pela plataforma:

Crianças pedem fim da violência no Rio

Em meio à violência extrema que atinge o Complexo da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, mais de 1,5 mil cartas de moradores das favelas foram entregues à Justiça estadual em agosto do ano passado, pedindo que ações para proteger a população sejam retomadas.

Idealizada pela instituição Redes da Maré, a ação cobrava que o Tribunal de Justiça (TJRJ) reavaliasse o arquivamento de processo que estabeleceu medidas para proteger a população das comunidades.

Entre as mensagens escritas por crianças que vivem nas favelas, muitas acompanhavam desenhos mostrando helicópteros sobre casas e policiais atirando em moradores.

“Eu queria que parassem as operações porque muitas famílias serão mortas. Agora, eu estou sem quarto porque vocês destruíram na operação. Todo mundo na minha escola chora, meu irmão morreu por causa dos policiais e eles bateram no meu primo”, diz uma das cartas.

Confira as cartas neste link.


Imagem Carnaval Sem Assedio
1
A repercussão dos ataques machistas à jornalista Patrícia Campos Mello
No final da última semana, Hans River do Rio Nascimento foi chamado para prestar depoimento na CPMI das Fake News. …
2
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
3
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
4
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
5
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
6
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
7
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
8
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …