Somos todos #EducaçãoSim

Paralisação nacional da educação, marcada para esta quinta, reúne professores, funcionários e alunos das redes federal, estadual, municipal e privada

Por: Editorial

Desestabilizar um dos pilares do desenvolvimento de um país, como é a educação, é exterminar o futuro. Cortes arbitrários, decisões pautadas em pensamentos retrógrados, sem nenhuma base científica, e desinformações nascidas no próprio governo levaram à paralisação nacional da educação marcada para esta quarta-feira, 15, em todo o país.

Crédito: Arte/Catraca LivreParalisação nacional da educação reúne todas as redes de ensino

Sem investimento na área, não há possibilidade de o Brasil crescer de forma sustentável, gerando emprego e melhores salários. Não há democracia de qualidade sem ensino de qualidade.

Também hoje, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado para explicar ao Congresso o contingenciamento anunciado nas verbas da pasta.

As idas e vindas do governo Bolsonaro no tema, desde a nomeação do errático ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez até o anúncio de cortes que inviabilizam parte das universidades públicas e de institutos federais do país, só comprovam a desorientação que existe na gestão de uma das principais pastas do Executivo.

Um presidente que não prioriza investimento na formação de seus cidadãos e em pesquisa científica e, pelo contrário, desmonta uma estrutura que, mesmo deficitária, funciona e dá destaque ao Brasil em várias áreas, tem um caminho certo: a perda de popularidade e da confiança por parte de seus 57.797.847 de eleitores, como mostram as últimas pesquisas.

Quem vai às ruas nesta quarta não são apenas “petralhas”, “comunistas” e a oposição. Ao menos 82 instituições participam desta greve. São universidades públicas, privadas, institutos federais. São professores, alunos e funcionários. Professores e alunos das redes estadual, municipal e privada dos ensinos fundamental e médio também farão parte dos protestos, assim como familiares de quem será atingido, direta ou indiretamente, pelo corte proposto.

A “balbúrdia”, para usar um termo citado por Weintraub ao se referir a universidades públicas, vai ser grande. E por um motivo forte: todos somos #EducaçãoSim.

Compartilhe:

1
Joice Hasselmann fala sobre o Pavão Misterioso e o Gabinete do Ódio
Pavão Misterioso, Gabinete do Ódio de Bolsonaro e muitas outras questões foram abordadas no depoimento da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) …
2
Os principais pontos do pacote anticrime de Moro aprovado pela Câmara
A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, 4, o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro. O conjunto de …
3
Tudo o que se sabe sobre a ação policial em Paraisópolis
No último domingo, 9 jovens morreram supostamente pisoteados durante ação realizada pela Polícia Militar na comunidade de Paraisópolis, em São …
4
PSL pune postura de Eduardo Bolsonaro e de outros 17 parlamentares
O diretório nacional do Partido Social Liberal (PSL) decidiu na terça-feira, 3, punir 18 parlamentares acusados de articular o afastamento …
5
Presidente da Funarte diz que rock leva ao aborto e ao satanismo
O músico Dante Mantovani, nomeado nesta segunda-feira, 2, como o presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), possui um canal …
6
Trump decide retomar taxação ao Brasil após desvalorização do real
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez um post em sua rede social anunciando o retorno das tarifas de …
7
Entenda todos os desdobramentos das prisões em Alter do Chão
Os quatro brigadistas que haviam sido presos preventivamente na operação Fogo de Sairé, da Polícia Civil do Pará, deixaram a …
8
Ajude a manter vivo o sonho da única orquestra do mundo criada e manti
A Orquestra Sinfônica de Heliópolis é a única orquestra sinfônica do mundo mantida numa favela. Mensalmente são mais de 1.300 …