Somos todos #EducaçãoSim

Paralisação nacional da educação, marcada para esta quinta, reúne professores, funcionários e alunos das redes federal, estadual, municipal e privada

Por: Editorial | Comunicar erro

Desestabilizar um dos pilares do desenvolvimento de um país, como é a educação, é exterminar o futuro. Cortes arbitrários, decisões pautadas em pensamentos retrógrados, sem nenhuma base científica, e desinformações nascidas no próprio governo levaram à paralisação nacional da educação marcada para esta quarta-feira, 15, em todo o país.

Crédito: Arte/Catraca LivreParalisação nacional da educação reúne todas as redes de ensino

Sem investimento na área, não há possibilidade de o Brasil crescer de forma sustentável, gerando emprego e melhores salários. Não há democracia de qualidade sem ensino de qualidade.

Também hoje, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado para explicar ao Congresso o contingenciamento anunciado nas verbas da pasta.

As idas e vindas do governo Bolsonaro no tema, desde a nomeação do errático ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez até o anúncio de cortes que inviabilizam parte das universidades públicas e de institutos federais do país, só comprovam a desorientação que existe na gestão de uma das principais pastas do Executivo.

Um presidente que não prioriza investimento na formação de seus cidadãos e em pesquisa científica e, pelo contrário, desmonta uma estrutura que, mesmo deficitária, funciona e dá destaque ao Brasil em várias áreas, tem um caminho certo: a perda de popularidade e da confiança por parte de seus 57.797.847 de eleitores, como mostram as últimas pesquisas.

Quem vai às ruas nesta quarta não são apenas “petralhas”, “comunistas” e a oposição. Ao menos 82 instituições participam desta greve. São universidades públicas, privadas, institutos federais. São professores, alunos e funcionários. Professores e alunos das redes estadual, municipal e privada dos ensinos fundamental e médio também farão parte dos protestos, assim como familiares de quem será atingido, direta ou indiretamente, pelo corte proposto.

A “balbúrdia”, para usar um termo citado por Weintraub ao se referir a universidades públicas, vai ser grande. E por um motivo forte: todos somos #EducaçãoSim.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
2
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
3
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
4
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
5
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …
6
02:10
Danilo Gentili faz a mais impactante piada sobre Eduardo Bolsonaro
Foi o ataque mais devastador à Jair Bolsonaro. Não apenas porque suas piadas sobre a indicação de Eduardo Bolsonaro viralizaram …
7
02:59
É exagero comparar Joel Santana com Eduardo Bolsonaro?
Você pode achar que o título desse vídeo é exagerado. Afinal, poucas coisas podem ser piores do que o inglês …
8
03:49
Curiosidades sobre os 50 anos da chegada do homem à lua
Há exatos 50 anos um grupo de astronautas americanos pousava na lua pela primeira vez. O momento foi um dos …