Somos todos #EducaçãoSim

Paralisação nacional da educação, marcada para esta quinta, reúne professores, funcionários e alunos das redes federal, estadual, municipal e privada

Por: Editorial | Comunicar erro

Desestabilizar um dos pilares do desenvolvimento de um país, como é a educação, é exterminar o futuro. Cortes arbitrários, decisões pautadas em pensamentos retrógrados, sem nenhuma base científica, e desinformações nascidas no próprio governo levaram à paralisação nacional da educação marcada para esta quarta-feira, 15, em todo o país.

Crédito: Arte/Catraca LivreParalisação nacional da educação reúne todas as redes de ensino

Sem investimento na área, não há possibilidade de o Brasil crescer de forma sustentável, gerando emprego e melhores salários. Não há democracia de qualidade sem ensino de qualidade.

Também hoje, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado para explicar ao Congresso o contingenciamento anunciado nas verbas da pasta.

As idas e vindas do governo Bolsonaro no tema, desde a nomeação do errático ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez até o anúncio de cortes que inviabilizam parte das universidades públicas e de institutos federais do país, só comprovam a desorientação que existe na gestão de uma das principais pastas do Executivo.

Um presidente que não prioriza investimento na formação de seus cidadãos e em pesquisa científica e, pelo contrário, desmonta uma estrutura que, mesmo deficitária, funciona e dá destaque ao Brasil em várias áreas, tem um caminho certo: a perda de popularidade e da confiança por parte de seus 57.797.847 de eleitores, como mostram as últimas pesquisas.

Quem vai às ruas nesta quarta não são apenas “petralhas”, “comunistas” e a oposição. Ao menos 82 instituições participam desta greve. São universidades públicas, privadas, institutos federais. São professores, alunos e funcionários. Professores e alunos das redes estadual, municipal e privada dos ensinos fundamental e médio também farão parte dos protestos, assim como familiares de quem será atingido, direta ou indiretamente, pelo corte proposto.

A “balbúrdia”, para usar um termo citado por Weintraub ao se referir a universidades públicas, vai ser grande. E por um motivo forte: todos somos #EducaçãoSim.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:23
Paulo Guedes diz que renunciará se Previdência virar ‘reforminha’
O ministro Paulo Guedes (Economia) voltou a afirmar que se houver uma mudança muito radical na proposta original da reforma …
2
03:08
XP: Avaliação negativa do governo supera a positiva pela 1ª vez
De acordo com pesquisa da XP/Ipespe divulgada nesta sexta-feira, dia 24, a avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro …
3
01:35
Governo libera o uso de mais 31 agrotóxicos no campo
O Ministério da Agricultura liberou o uso de mais 31 agrotóxicos nas lavouras do país. Entre eles, há produtos que …
4
02:33
Foto de manifestantes nus contra Bolsonaro é falsa
A foto de uma suposta manifestação de pessoas peladas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)  que viralizou nas redes …
5
01:37
Lobão rompe com Bolsonaro: “Esse cara não me representa”
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o cantor e compositor Lobão falou sobre sua decepção com Jair Bolsonaro e …
6
01:33
Milícias digitais perseguem MBL após críticas a Bolsonaro
O MBL (Movimento Brasil Livre) deixou de ser aliado para se tornar o novo alvo das milícias digitais pró-Bolsonaro. O …
7
03:41
Manifestação releva descompasso entre o Bolsonaro e a direita
A manifestação marcada para o próximo domingo, dia 26, aparentemente, gerou um desequilíbrio entre os grupos de direita apoiadores do …
8
01:29
Barragem da Vale em Barão de Cocais pode romper a qualquer hora
A barragem da mina do Gongo Soco, localizada em Barão de Cocais, em Minas Gerais pode romper a qualquer momento. …