Publicidade

Informar

O que fazer ao encontrar um pássaro ferido na rua

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade
Crédito: JocaCentro de manejo recebe animais silvestres feridos em São Paulo

Há uma boa chance de você algum dia encontrar um pássaro ferido no quintal de casa, em uma praça pública ou na rua. Muitos acabam machucados por linhas de pipa, outros se chocam com prédios de vidro ou simplesmente caem do ninho. E o que fazer nessas situações?

Esta foi a pergunta que a redação do Catraca Livre se fez ao encontrar um pássaro machucado no chão. Uma rápida busca no Google nos levou a um centro de reabilitação de animais silvestres, o DEPAVE-3 (Departamento de Parques e Áreas Verdes) que tem núcleos dentro dos parques Ibirapuera e Anhanguera, em São Paulo.

O centro atende especialmente aves e répteis que são resgatados pela população, Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental e Ibama. O atendimento clínico funciona inclusive aos finais de semana.

A orientação para qualquer pessoa que encontre um pássaro ou qualquer outro animal silvestre ferido é ligar no plantão do órgão no número (11) 3885-6669 para receber informações antes de se encaminhar até o local.

Outra possibilidade é pedir ajuda para a Guarda Civil Metropolitana (GCM) ou para a Polícia Ambiental, que – nesses casos – fazem o resgate e encaminhamento do animal. Isso vale para qualquer cidade. “Não podem negar socorro, porque todo animal silvestre é propriedade da União, portanto, é um dever todo Estado zelar pelo bem-estar deles”, explica o biólogo e veterinário Francisco Miguel Conde, do DEPAVE-3.

Animais silvestres encaminhados ao DEPAVE recebem atendimento veterinário emergencial
Crédito: JocaAnimais silvestres encaminhados ao DEPAVE recebem atendimento veterinário emergencial
Após tratamento, pássaros são soltos em áreas verdes seguras da cidade
Crédito: JocaApós tratamento, pássaros são soltos em áreas verdes seguras da cidade

Grande parte das aves recebidas pelos centros de manejo de fauna silvestre é constituída por filhotes, no entanto, o DEPAVE destaca que nem sempre essas aves precisam de cuidados veterinários. “Na primavera, principalmente, muitos filhotes caem do ninho ou acabam ficando perdidos, e a mãe em algum momento pode voltar. Então, tirar o filhote de lá nem sempre é a melhor solução. Nesses casos, é importante receber as orientações pelo telefone antes de resgatá-lo”, orienta Conde.

Causa comuns de ferimento

De acordo com o biólogo, as causas mais comuns de ferimentos em pássaros são a colisão com prédios envidraçados ou espelhados – que refletem o céu e confundem as aves – e cortes com linha de pipa. Nessas duas situações, os ferimentos podem ser graves, mas há chances de recuperação.

No centro de manejo, os pássaros passam por atendimento de emergência, tratamento, reabilitação, treino de caça e de voo e só depois são soltos em áreas verdes próximas de onde foram encontrados.

Antes de ganhar liberdade, todas as aves recebem um anel metálico na pata, com os dados do animal, que servirão para monitoramento posterior. Já os répteis, como lagartos, iguanas e jacarés, são microchipados com essas informações.

Quanto à ave que o Catraca Livre resgatou, soubemos se tratar de uma asa branca, que estava com uma luxação leve na asa. Após receber tratamento no centro veterinário do DEPAVE-3 por cerca de 30 dias e passar por reabilitação, a ave foi solta no Parque Anhanguera no final de abril.

Asa Branca é uma ave que vive no campo e nos centros urbanos

Serviço

DEPAVE 3- Departamento de Parques e Áreas Verdes

Av. IV Centenário, Portão 7ª

Segunda a sexta-feira: das 8h às 16h

Finais de semana e feriados: das 8h às 12h

Telefone: (11) 3885-6669

faunasvma@prefeitura.sp.gov.br

  • Leia também:

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade