Passo a passo no Google ajuda pessoas trans a retificar o nome

A novidade no buscador faz parte da campanha "#ConviverTransforma - Respeita Meu Nome", criada para o Dia da Visibilidade Trans (29 de janeiro)

Por: Redação
Crédito: Reprodução / GooglePara o vídeo, a empresa convidou pessoas reais e apresentou seus nomes em meio às imagens

O respeito ao nome e à identidade de gênero é algo extremamente importante para pessoas trans e travestis, que vivem diariamente o preconceito em todos os âmbitos da sociedade. Para debater esse tema, o Google lançará nesta quarta-feira, 29, Dia Nacional da Visibilidade Trans, a campanha “#ConviverTransforma – Respeita Meu Nome”.

A ideia da ação é celebrar a conquista de um nome com o qual se identifica, e como todo o esforço para defender essa identidade é digno de respeito. Para o vídeo, a empresa convidou pessoas reais e apresentou seus nomes em meio às imagens. As histórias dessas personagens serão contadas em outros conteúdos da plataforma.

Para além da conscientização, o Google apresentou duas novidades no buscador. A partir desta quarta, quando o usuário pesquisar “passo a passo retificação de nome e gênero”, a plataforma apresentará no resultado da busca um conteúdo criado pela ONG Casa 1 que mostra todo o guia para realizar o processo.

A Consultoria Transcendemos também preparou respostas às dúvidas comuns sobre a questão trans, como “o que é uma pessoa trans” ou “o que é cis/cisgênero”? Para acessar o conteúdo, basta pesquisar por “Transcendemos explica”.

Com o objetivo de entender quais eram as maiores urgências da comunidade, a empresa convidou oito pessoas trans para dois dias de imersão. O respeito ao nome de uma pessoa trans foi uma questão latente e, por isso, escolhido como tema da campanha de 2020.

Este é o segundo ano em que o Google participa da conversa sobre visibilidade trans. Em 2019, um Doodle homenageando a Brenda Lee foi o ponto de partida para entender mais sobre a realidade dessa população e criar diversos conteúdos que ajudaram a informar, sensibilizar e contextualizar estas existências.

Assista ao vídeo da campanha:

Nome social é Lei

Um caso clássico de transfobia é a exposição do nome civil de uma pessoa trans. Atualmente, o decreto Nº 8.727, assinado em abril de 2016 pela então presidenta Dilma Rousseff, reconhece a identidade de gênero de pessoas travestis e transgênero e o uso de seu nome social.

O decreto procura diminuir casos de constrangimento e assegura que as pessoas transgêneras consigam viver em sociedade e ter sua identidade real respeitada. Então, se você trabalha com atendimento ao público, por exemplo, não exponha o nome civil, use somente o nome social.O respeito ao nome e à identidade de gênero é algo extremamente importante para pessoas trans e travestis, que vivem diariamente o preconceito em todos os âmbitos da sociedade. Para debater esse tema, o Google lançará nesta quarta-feira, 29, Dia Nacional da Visibilidade Trans, a campanha “#ConviverTransforma – Respeita Meu Nome”.

Transfobia é crime

Apesar de transfobia e homofobia não serem a mesma coisa – um diz respeito à violência contra a identidade de gênero e o outro à orientação sexual – a criminalização da homofobia pelo STF, em junho de 2019, se estende a toda comunidade LGBT e também equipara atos transfóbicos ao crime de racismo. Nesta matéria aqui, explicamos como denunciar esse tipo de crime.