William Bonner se manifesta sobre ação da PM em baile funk

Ele afirmou que a morte dos nove jovens "está doendo em todos os cidadãos de bem do Brasil e precisa ser apurado"

Por: Redação

O apresentador do Jornal Nacional (JN), William Bonner, se manifestou, na noite desta segunda-feira, 2, sobre ação da Polícia Militar (PM) em baile funk, na comunidade Paraisópolis, na zona sul de São Paulo (SP), na madrugada de domingo, 1º, que vitimou nove jovens que frequentavam a festa de rua conhecida como ‘DZ7’.

william bonner polícia Paraisópolis
Crédito: Reprodução/TVGlobo e TwitterWilliam Bonner se manifesta ação da PM no baile funk em Paraisópolis

Bonner afirmou que a morte dos nove jovens durante um baile funk em uma das maiores favelas da cidade “está doendo em todos os cidadãos de bem do Brasil e precisa ser apurado”.

As declarações de Willian Bonner foram logo após o JN exibir uma reportagem que mostrava a identidade dos jovens mortos e contava sobre as investigações da ação da polícia.

Entenda o caso:

Uma ação policial resultou na morte de nove pessoas durante um baile funk na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, na madrugada deste domingo, 1. Vítimas tinham entre 14 e 23 anos, e testemunhas alegaram terem sido encurraladas pela PM.

Informações iniciais revelam que equipes da Rota Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) foram chamadas ao local por conta do barulho na região, por volta das 4h da manhã.

Durante a ocorrência, os policiais deram início a perseguição a uma motocicleta e entraram onde ocorria a festa que reunia, aproximadamente, cinco mil pessoas.

VÍDEOS MOSTRAM COMO A PM AGREDIU JOVENS DESARMADOS EM EMBOSCADA 

PARAISÓPOLIS: SE DIVERTIR NÃO PODE SER RISCO DE MORTE NAS PERIFERIAS

DORIA DEFENDE LAMENTA MORTES MAS DEFENDE AÇÃO DA PM

Policiais usaram tiros de efeito moral, motivando correria entre os presentes. Dez pessoas foram pisoteadas durante a operação policial e levadas em estado grave ao Pronto Socorro do Campo Limpo. Nove morreram e outras sete ficaram feridas.

Os moradores de Paraisópolis, zona sul da capital paulista, saíram às ruas para protestar, nesta segunda-feira, 2. Durante a manifestação, eles cantaram: “Eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na favela onde eu nasci”, durante o ato. Em algum momento do trajeto, encontraram policiais e os chamaram de “assassinos”. O baile funk em questão é conhecido pela sigla “DZ7” e reúne de três a cinco mil pessoas de várias regiões.

Em entrevista ao G1, a mãe de uma jovem de 17 anos, ferida durante a ação, disse que a polícia preparou uma emboscada para os frequentadores do evento_que, por volta das 3h, reunia cerca de 5 mil pessoas. “É uma rua com duas ou três saídas. Os policiais fecharam e coagiram. Atiraram com arma de fogo – não só com bala de borracha. Bateram com cassetete, fora spray de pimenta”.

Segundo ela, um policial agrediu sua filha com uma garrafada. A adolescente também apresenta marcas de cassetete nas costas. “Os policiais fecharam a rua. Teve corre-corre, pisoteamento de adolescente. Gás de pimenta, bala de borracha, e ainda estavam agredindo pessoas. Foi um policial que tacou garrafa de vidro na minha filha.”

1
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
2
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …
3
Anarquia da ponte pra lá: a história do punk na periferia de SP
Autor do livro My Way, Valo Velho é história viva da cena anarcopunk de São Paulo. A Catraca Livre foi até …
4
Backer: entenda o caso das cervejas contaminadas
O Ministério da Agricultura suspendeu a venda de cervejas da marcar Backer e determinou que a empresa faça um recall …
5
O que é liberdade de expressão?
O que é liberdade de expressão? Entenda o significado e a importância desse direito tão importante para todos nós neste …
6
Entenda o acordo nuclear que envolve EUA x Irã
Errata: ao contrário do que aparece no vídeo, o nome do especialista entrevistado é Lucas Leite e não Felipe. O …
7
Depois de ataque e perseguição, Porta dos Fundos é alvo de censura
A Justiça do Rio de Janeiro resolveu mandar retirar do ar “A Primeira Tentação de Cristo”, um Especial de Natal …
8
“Imprecionante”: ministro Weintraub comete novo erro de português
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escorregou de novo na língua portuguesa e a internet não deixou passar. Ao agradecer um …