Namorar um DJ não é legal, é um saco

Texto por Yasmin Kühn

Você está interessada em manter a sua dignidade na frente de estranhos? Deseja que o seu fígado continue funcionando? Não quer odiar as músicas que normalmente fazem você dançar feito louca? Uma rotina saudável de sono está na sua ordem do dia? Então, é melhor você acreditar quando eu digo:nunca, jamais, NEVER DE JAMÉ namore um DJ.

Eu admito, é fácil se pegar idealizando a situação. Seria legal ser a escolhida, ficar ao lado dele (ou dela) atrás dos decks enquanto ele (ou ela) anima uma multidão empolgada, brindando com copos cheios de vodka e energético até que vocês, os pombinhos, cambaleiem pra um fogoso after party numa suíte de hotel. Mas isso é uma fantasia. Namorar sério um DJ é uma merda tão grande que ter o seu nome em algumas listas VIPs todo fim de semana só vai compensar todo o sofrimento desse amor se você ativamente começar a ignorar a realidade.

O que você entende por “festa” vai mudar bruscamente e para sempre:

Enquanto outros casais passam suas noites agarradinhos no sofá, encontrando-se com amigos num bar ou se divertindo na cama, você tem que passá-las em muitos clubs. Você vai ficar lá parada, se sentindo meio inútil enquanto ele monta o equipamento dele. Vai se dar conta de que o seu trabalho de verdade, diurno, com as suas reuniões, estresses e horário fixo, é o principal motivo de você estar extremamente cansada e – pior de tudo – mal vestida. Isso vai acontecer exatamente uma vez, até você pirar na sua roupa e acabar parecendo que acabou de participar um clipe tosco de prog house. Para você, um “encontro” é ficar em volta da cabine, com o seu namorado trabalhando e você tolerando ou afugentando pessoas irritantes e seus pedidos de músicas.

No geral, você é a pessoa mais inútil por ali e sabe disso. Você não pode ser produtiva de maneira nenhuma, nem surtar na pista com o seu namorado parado ali, mas indisponível para você. Você logo vai saber a playlist dele de cor. Claro, os DJs diversificam as faixas dos seus sets, mas depois da terceira noite você começa a perceber… [Continue lendo aqui.]

Compartilhe:

1 / 8
1
02:35
Criatividade e Solidariedade: transformando a dor em beleza.
A vida do garoto Angelo Henry, morto em 2014, inspirou uma linda história de solidariedade que ressoará na vida de …
2
01:17
A mãe que reescreveu a história da sua filha
O que uma mãe não faz por seus filhos? A Alessandra, mãe da Naná, notou que às vezes havia uma certa …
3
02:47
Não existe nada por acaso
Um dos melhores intérpretes da MPB, Simoninha doou o seu talento à Orquestra Sinfônica Heliópolis em um show no Masp …
4
04:36
Brasileira cria aplicativo que promove a inclusão
"Brainy Mouse" é o nome do aplicativo que une criatividade, inclusão e tecnologia. Criado pela brasileira Ana Sarrizo esse jogo carrega …
5
04:17
Restaurante brasileiro é referência mundial de sustentabilidade
Sair para comer fora também pode ser um ato de resistência contra a destruição do planeta – e isso vale …
6
01:41
As camisas dos verdadeiros campeões
Você está vendo essa criança com camisa de futebol? Essa não é uma camisa comum, na realidade ela é uma …
7
01:47
Mestres da Criatividade: Grafites atropelam a intolerância
Um movimento de arte em favor do amor e contra a intolerância surgiu nas ruas de Berlim: Paint Back, promovido …
8
04:53
Como a passagem de um livro virou uma música sublime
Numa passagem da obra-prima "O tempo e o Vento", de Érico Veríssimo, a protagonista Ana Terra se encanta com sua …