Publicidade

Informar

Malala Yousafzai, ganhadora do Nobel, vem ao Brasil pela 1ª vez

A ativista visitará o Brasil e dará palestra sobre educação e os direitos das mulheres

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

A paquistanesa Malala Yousafzai, 20 anos, uma das mais importantes ativistas na luta pelo direito das mulheres à educação, vem ao Brasil pela primeira vez. A ganhadora do Nobel da Paz vai participar de uma palestra em São Paulo, no dia 9 de julho.

Crédito: Reprodução/@MalalaMalala Yousafzai visitará o Brasil em julho

Ela falará com alunos de ONGs e escolas públicas parceiras de um banco. A conversa será mediada pela presidente e fundadora do Instituto Alana, Ana Lúcia Vilella. Temas como educação, leitura, direitos da mulher, vínculo familiar e tolerância serão abordados.

O evento, infelizmente, é fechado e não permitirá a entrada do público geral. No entanto, é possível assistir à palestra pelo Twitter ou Facebook do Itaú Unibanco, pois haverá transmissão ao vivo.

Atentado e prêmios

Quando tinha 16 anos, Malala sobreviveu a um atentado dos talibãs simplesmente por querer estudar. Levou um tiro na cabeça quando voltava de ônibus da escola, em outubro de 2012.

Neste mesmo ano, recebeu o Prêmio Internacional da Paz das Crianças, o Prêmio Sakharov de Liberdade de Expressão do Parlamento Europeu e criou o The Malala Fund, uma organização sem fins lucrativos para promover a educação feminina no Paquistão e em outras partes do planeta. Para comemorar seu 18ª aniversário, ela abriu uma escola para garotas refugiadas no Líbano.

Crédito: Reprodução/@MalalaMalala vive com os pais e os irmãos na Inglaterra

Malala vive na cidade de Birmingham, Inglaterra, com sua família. É estudante de filosofia, política e economia na Universidade de Oxford.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade