Campanha une famosos para criar brigada anti-incêndio no Pantanal

Uma parte do que for arrecadado será destinada à construção de um ambulatório veterinário na Serra do Amolar

Por: Redação
Ouça este conteúdo

O Pantanal, maior planície alagável do planeta e Patrimônio Natural da Humanidade, arde em chamas como jamais visto. Imagens de satélite mostram que, somente este mês, mais de 2 mil hectares –soma equivalente a 13% de todo o bioma– foram devastados pelo fogo.

Para tentar amenizar este sofrimento, um grupo de artistas, empresários, empresas se uniram ao Instituto Pantaneiro para criar uma brigada anti-incêndio no Pantanal.

Pantanal em chamas
Crédito: Ernane Jr./DivulgaçãoFlagrante de ipê consumido pelo fogo na região de Porto Jofre, no Pantanal

“O fogo e a fumaça asfixiam a natureza e toda a economia do Pantanal. Sofrem o turismo, a pecuária, a pesca e as cidades e, por consequência, toda a população, como ribeirinhos, indígenas e produtores, além dos animais silvestres e o gado”, afirma o documentarista Lawrence Wahba, um dos idealizadores de uma campanha que tem o apresentador Luciano Huck como padrinho e irá captar recursos, via crowdfunding, para a criação da brigada Haroldo Palo Jr.

Segundo Angelo Rabelo, diretor de Relações Institucionais do Instituto Homem Pantaneiro (IHP) e coordenador do projeto, a ideia de criar a brigada surgiu para apoiar o Estado, uma vez que a contratação de brigadistas pelo IBAMA e ICMBio ocorre de forma sazonal, entre julho e dezembro, e não consegue ter homens suficientes para atuar nas regiões mais remotas e menos habitadas do Pantanal.

“Neste ano, os incêndios começaram em fevereiro. Então, contratamos brigadistas que já tinham experiência, pagando diárias para eles, até que, em julho, o Ibama contratou novas equipes. Assim, nossa proposta é preencher essas lacunas nas quais os brigadistas não estão mobilizados e, ao mesmo tempo, cumprir um papel de prevenção em locais que são de interesse estratégico para conservação, sobretudo em áreas públicas e distantes das cidades”, diz.

A ideia da brigada não é só combater o fogo, mas, também, inspirar fazendeiros e outros setores da sociedade a replicar a ação.

Segundo Rabelo, a brigada profissional com homens treinados, equipados e remunerados irá patrulhar as regiões da Serra do Amolar, o Parque Nacional do Pantanal e o Parque Estadual Encontro das Águas, áreas consideradas de extrema relevância para a conservação da onça-pintada e demais espécies, servindo de atrativo para o ecoturismo e fonte de receita para a economia do Pantanal.

“Somente com equipes fixas treinadas e equipadas as tristes cenas com macacos, jaguatiricas e onças carbonizadas deixarão de ser rotineiras nos telejornais”, afirma.

Uma parte do que for arrecadado pela campanha será destinada à construção de um ambulatório veterinário na Serra do Amolar.

Campanhas pelo Pantanal

Foram ativadas quatro plataformas para captação de doações: um crowdfunding (financiamento coletivo) pela plataforma catarse.me com meta de atingir R$ 500.000, uma campanha voltada ao público internacional operado pelo parceiro Jaguar ID Project com previsão de atrair até US$ 100.000; doações em criptomoedas aceitas pela plataforma Mercado Bitcoin e doações de equipamentos, como dois barcos, máscaras e EPIs (Equipamento de Proteção Individual) ou recursos por empresas que poderão inserir suas marcas nos equipamentos doados.

O valor mínimo para doação é de R$ 10 (www.catarse.me/brigada_alto_pantanal).  Empresas interessadas em doar equipamentos ou recursos devem escrever para o e-mail: contato@brigadaaltopantanal.org.br ou mandar mensagem pelo site www.brigadaaltopantanal.org.br.

Quem é Haroldo Palo Jr.

O nome escolhido para batizar a brigada prestará uma homenagem ao naturalista e documentarista de natureza Haroldo Palo Jr. (1953-2017).

Apaixonado tanto pela biodiversidade quanto pelo povo da região, Haroldo foi responsável por divulgar as belezas do Pantanal ao mundo, inclusive nos anos 80, quando guiou uma equipe do documentarista Jacques Cousteau (1910-1997).

Compartilhe: