Novo ‘Power Rangers’ mira em novos fãs sem abandonar os antigos

Por: Redação

É uma época de remakes e reboots; ‘Star Trek’ e ‘A Bela e a Fera’ são só alguns sucessos que foram atualizados sem perder o elemento nostálgico. Não é nenhuma surpresa, portanto, que ‘Power Rangers’ ganhe um novo filme em 2017, 24 anos após a estreia de sua primeira série.

Este é o novo visual dos rangers

Se você cresceu nos anos 90, dificilmente conseguiu escapar da franquia de super-heróis inspirada na série japonesa ‘Super Sentai’ (de onde até tirou algumas cenas). ‘Mighty Morphin Power Rangers’ estreou em 1993 com um time de cinco guerreiros: Kimberly (a ranger rosa), Trini (ranger amarela), Billy (ranger azul), Zack (ranger preto) e Jason (ranger vermelho). E são eles que voltam para o reboot dirigido por Dean Israelite.

Essencialmente, a ideia se mantém a mesma: cinco adolescentes de personalidades distintas são escolhidos para proteger a Terra de vilões extraterrestres. Sim, o mentor Zordon e a vilã Rita Repulsa estão de volta (agora interpretados por Bryan Cranston, o Walter White de ‘Breaking Bad’, e Elizabeth Banks, a Effie Trinket de ‘Jogos Vorazes’). Alpha 5 também participa, e os rangers novamente têm de aprender a morfar e a operar seus respectivos zords.

O filme estreia no dia 23 de março

‘Mighty Morphin Power Rangers’ versão 2017

Hollywood, é claro, teve de fazer uma releitura de tudo isso. Os elementos de ‘Mighty Morphin Power Rangers’ com mais cara de ‘Super Sentai’, como as cenas de luta com efeitos especiais estilo tokusatsu, foram atualizados para o cinema americano. Assim como o design de Zordon, Alpha 5 e as armaduras dos rangers, que agora têm um ar mais alienígena.

Desta vez, os protagonistas são apresentados melhor. Eles não são mais alunos-exemplo, e nenhum deles se encaixa nas panelinhas da escola. Jason (Dacre Montgomery) continua sendo o líder heroico (e dentro dos padrões) e Zack (Ludi Lin) ainda é bem-humorado. Billy não deixa de ser o gênio do grupo, mas agora ele é apresentado como um personagem dentro do Espectro do Autismo. A versão de RJ Cyler também é muito mais cômica. Assim como fez na sua passagem pela última Comic Con Experience (CCXP), o ator roubou a cena com seu carisma.

Kimberly volta a ser a patricinha da escola. No entanto, em uma coletiva de imprensa da CCXP, Naomi Scott apontou que quis desafiar esse estereótipo no reboot. Para ela, o público também pode esperar girl power por parte dela e da ranger amarela: “quando mulheres se juntam, a gente sabe: elas são imbatíveis. Isso era muito importante para nós. [As rangers] se tornam amigas e mandam bala”, disse. Trini (papel de Becky G), inclusive, é a mais diferente da série de 1993. E em dado momento da história, ela dá a entender que é lésbica; um esforço do filme de ter mais representatividade.

Nostalgia

Tantas mudanças podem fazer os fãs mais “puristas” julgarem que o lançamento não é, de fato, um ‘Power Rangers’. Dacre Montgomery, por sua vez, explicou que eles precisavam acomodar as duas extremidades da audiência: os fãs de longa data e todas as pessoas que nunca tiveram contato com a série original. “[O filme é uma] história sobre coração, lutas, adolescentes que não gostam uns dos outros e, então, se tornam amigos. É assim que funciona. E, tomara, isso possa agradar pessoas nas faixa dos 10, 20, 30, 40, 50, 60 anos”, observou.

power rangers
Elizabeth Banks interpreta a vilã Rita Repulsa

Como Naomi Scott havia prometido na CCXP, o reboot insere referências que só os fãs vão entender. O que pode ser adiantado é que Amy Jo Johnson e Jason David Frank, atores que deram vida aos rangers rosa e verde originais, fazem uma aparição especial. Ah, e tem uma cena pós-créditos sugerindo que o filme terá continuação.

Em muitos aspectos, o novo ‘Power Rangers’ segue a linha de outros filmes contemporâneos de super-heróis – até nos clichês. Mas não deixa de ser divertido. Aliás, a comicidade foi parte importante do roteiro, que não pretende levar a história a sério demais. Ludi Lin, o atual Zack, espera que as crianças possam sentir com o lançamento a mesma inspiração e admiração que os rangers de 1993 instigaram à geração antiga. “Isso ainda está dentro de nós, certo?”, considera. “Somos apenas crianças fingindo ser maduras”.

  • Dica: caso você seja assinante da Netflix, pode reassistir a ‘Mighty Morphin Power Rangers’ por lá para se preparar para o filme. Assista ao trailer abaixo:

Compartilhe:

Tags:#Filmes
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.