Créditos: Reprodução / Facebook e Wikipedia

Alexandre Frota é um dos principais nomes que atacou a intelectual Judith Bluter

Após ataques a uma exposição em Porto Alegre e a uma performance no MAM, mais uma vez grupos de direita estão pedindo o cancelamento de outro evento. Desta vez, o alvo é a palestra da norte-americana Judith Butler, que vem ao Brasil para participar do seminário internacional "Os Fins da Democracia", no Sesc Pompeia, em São Paulo.

Professora da Universidade de Berkeley, na Califórnia, Butler é um dos mais importantes nomes na área dos estudos de gênero. A teoria defendida por ela afirma que a identidade de gênero e a orientação sexual não estão necessariamente associados ao sexo biológico.

Em reação à presença da norte-americana no país, foi criada uma petição que tem circulado nas redes sociais desde quinta-feira, dia 26, junto da hashtag #ForaButler. Um dos principais disseminadores da campanha é o ex-ator pornô Alexandre Frota, que está promovendo uma manifestação em frente ao local do seminário.

Veja o texto da petição:

"Judith Butler não é bem-vinda ao Brasil! Nossa nação negou a ideologia de gênero no Plano Nacional de Educação e nos Planos Municipais de Educação de quase todos os municípios.

Não queremos uma ideologia que mascara um objetivo político marxista. Seus livros querem nos fazer crer que a identidade é variável e fruto da cultura. A ciência e, acima de tudo, a realidade nos mostram o contrário.

Sua presença em nosso país num simpósio comunista, pago com o dinheiro de uma fundação internacional, não é desejada pela esmagadora maioria da população nacional. Zelamos pelas nossas crianças e pelo futuro do nosso Brasil. #ForaBrutler".

O Catraca Livre tentou entrar em contato com o Sesc Pompeia para comentar o caso, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

O seminário gratuito, que acontece entre os dias 7 e 9 de novembro, vai receber outros especialistas, como Vladimir Safatle, Susan Buck-Morss, Monique David-Ménard, Rahel Jaeggi e Wendy Brown. As inscrições já foram encerradas.

Diante do cenário conservador, usuários do Facebook estão publicando avaliações positivas na página do Sesc. Veja abaixo as reações no Twitter contrárias à tentativa de censura ao evento:

  • Leia mais:

Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo: 1 a cada 25 horas