Nátaly Bonato trabalha na WeWork, um espaço de trabalho compartilhado na avenida Paulista, em São Paulo. Para resolver problemas de limpeza da unidade, ela achou que um relatório seria o suficiente.

O relatório deveria ser preenchido pelos funcionários da limpeza todos os dias dizendo se a sala do cronograma tinha sido limpa e, caso não, colocar um comentário explicando o porquê.

“O relatório demorou uma semana para chegar e, quando veio, o banheiro virou um caos. Não entendi nada, nos reunimos e a descoberta foi que 50% do time [terceirizado] era iletrado”, escreveu Nátaly no Facebook.

Em vez de trocar a equipe (o que infelizmente é uma prática bastante recorrente), Nátaly teve uma ideia muito melhor: procurar nas escolas que fazem parte dos espaços compartilhados alguém que pudesse alfabetizar os auxiliares de limpeza. Foi assim que ela conheceu a pedagoga Dani Araujo, da MasterTech, que topou o desafio.

ondemand_video Vídeos do Catraca

As pessoas não são descartáveis. Eu não queria que alguém passasse pela minha vida sem ter o meu melhor, sem que eu pudesse tentar. Então, eu não queria que eles saíssem daqui um dia e continuassem tendo aquelas profissões por que eles não tinham escolha”, disse Nátaly em entrevista, leia o restante aqui.

Créditos: Nátaly Bonato

Todos comemoram a formatura dos funcionários que agora já conseguem ler e escrever

Rapaz se oferece para fazer currículo para homem analfabeto

Rede Catraca Livre

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.