Plástico reciclado vira asfalto mais resistente

Empresa usa material reciclado para substituir parte do betume usado na pavimentação das estradas

Por: Redação |

No mundo todo, o plástico segue se amontando nos lixões, em aterros e nos mares.

Embora esse desafio ainda esteja longe de ser resolvido, a boa notícia é que continuam surgindo ideias que contribuem para reduzir esse problema.

Uma dessas novidades vem do Reino Unido. A empresa MacRebur recicla itens como sacolas e garrafas de plástico e até fraldas usadas para produzir um asfalto mais resistente.

O uso do plástico reciclado reduz risco de rachaduras na estrada
Crédito: DivulgaçãoO uso do plástico reciclado reduz risco de rachaduras na estrada

A empresa transforma o plástico em um material granulado (pellets) ou em forma de flocos, que substituem parte do betume usado na mistura do asfalto.

O resultado, assegura a empresa, são estradas com superfícies mais duráveis. Elas são resistentes a rachaduras e deformação, por exemplo.

Segundo a MacRebur, o desempenho desse novo asfalto é 60% superior ao do material tradicional.

Por isso, as estradas demandam menos conserto (como buracos na estrada), reduzindo o custo de manutenção.

Cerca de três a dez quilos de plástico são usados em cada tonelada de asfalto, dependendo da estrada.

Como os pedacinhos de plástico reciclado se dissolvem na mistura, não sobram micropartículas que possam se soltar.

E consequentemente há menos risco desse betume vazar e contaminar o solo.

Além disso, outras vantagens desse material, afirma a empresa, é a redução da demanda por combustível fóssil.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

Além de dar um novo destino ao plástico, o material reduz a manutenção das estradas
Crédito: DivulgaçãoAlém de dar um novo destino ao plástico, o material reduz a manutenção das estradas

A ideia de fazer esse produto começou na Índia, onde o engenheiro britânico Toby McCartney trabalhou em uma ONG que atuava junto aos catadores de materiais recicláveis.

Ele viu que parte dos plásticos coletados eram colocados em buracos na estrada. Em seguida, derramava-se gasolina sobre esse material.

O lixo era queimado até que o plástico se fundisse dentro dos buracos, formando um “tapa-buracos” improvisado.

McCartney voltou para o Reino Unido e, junto com dois colegas, desenvolveram uma forma de transformar o plástico em um material que pudesse ser aproveitado na produção de asfalto.

Os produtos da MacRebur já foram usados na construção de estradas em locais como Cumbria, Galloway e Newcastle, no Reino Unido.

E também em outros países, como Turquia, Dubai e Nova Zelândia.

Leia também: Maior parque solar da América do Sul será no Piauí 

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.

Compartilhe: