Informar

Professor ganha prêmio por reduzir o custo da energia solar

Global Energy Prize reconheceu que o australiano tornou os paineis fotovoltaicos a opção mais barata de fornecimento de energia em massa

Por: Redação

Há um nome por trás do crescimento de alternativas de energia limpa e renovável no mundo: Martin Green, professor da Universidade de New South Wales, na Austrália, recebeu o prêmio Global Energy Prize por sua contribuição por reduzir o custo da energia solar e melhorar sua eficiência.

Martin Green, vencedor de prêmio por reduzir o custo da energia solar
Crédito: Divulgação/UNSWMartin Green, vencedor de prêmio por reduzir o custo da energia solar

Segundo os responsáveis pela premiação, Green revolucionou a eficiência e o custo dos painéis fotovoltaicos, tornando-os a opção mais barata de fornecimento de energia em massa.

O australiano vai dividir o prêmio de 820 mil dólares australianos (cerca de 2,3 milhões de reais) com o cientista russo Sergey Alekseenko, especialista em engenharia de energia térmica.

Ao longo das décadas, Green e suas equipes contribuíram para o aumento de eficiência das células fotovoltaicas, que são os dispositivos que convertem energia luminosa em energia elétrica. O encapsulamento de um conjunto delas forma o painel fotovoltaico ou placa solar.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

Célula fotovoltaica: cada vez mais eficientes
Crédito: Dave Weaver/ShutterstockCélula fotovoltaica: cada vez mais eficiente

Entre seus muitos avanços, ele inventou a célula solar PERC, que, no final de 2017, representava mais de 24% da capacidade de fabricação mundial de células de silício. Células de silício (existem algumas variações dela) são o tipo mais comumente usado nas placas solares. Segundo a universidade, as vendas de sistemas contendo essa célula ultrapassaram US$ 10 bilhões em 2017 e estão previstas para exceder US$ 1 trilhão até 2040.

O grupo de pesquisas que ele fundou na universidade australiana é reconhecida por promover a grande redução de custo de produção dos paineis fotovoltaicos, principalmente pelo trabalho que seus estudantes fizeram na implantação de fábricas na Ásia.

Assim, o Global Energy Prize o premiou por seu trabalho, desenvolvimento e atividades educacionais. O prêmio é anual e homenageia os avanços em pesquisa e tecnologia que solucionem os crescentes desafios da energia no mundo. Neste ano, havia 44 candidatos, de 14 países. Os dez finalistas incluíam o empresário Elon Musk, CEO da Tesla.

O prêmio tem uma reputação de 0,48 ponto na Lista Internacional de Prêmios Acadêmicos IREG, sendo que o Prêmio Nobel tem 1.0.

Leia também: EUA constroem sua primeira cidade movida apenas por energia solar

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.