Talher de plástico de batata substitui os usados por fast-foods

O designer sueco Pontus Törnqvist inventou uma opção a garfos, colheres e facas tradicionais, com a vantagem de se decompor em até dois meses

Por: Redação

“Ao vencedor as batatas”, escreveu Machado de Assis em seu Memórias póstumas de Brás Cubas. Pois o designer sueco Pontus Törnqvist inverteu a ordem desse processo. Foi o tubérculo, na verdade, que o levou a ser premiado. E nada mais merecido. Afinal, ele criou um talher de plástico de batata, que se decompõe em menos de dois meses.

O talher de plástico de batata ganhou um prêmio de design
Crédito: Reprodução/James Dyson AwardO talher de plástico de batata ganhou um prêmio de design

O mais inusitado dessa história é que esse ingrediente da receita surgiu meio que por acaso.

Törnqvist conta que seu objetivo inicial era justamente combater a poluição ambiental causada pelos talheres de plástico utilizados em fastfoods. Enquanto, em média, seu período de uso é de 20 minutos, o de sua duração na natureza chega a 450 anos.

Assim, em seu projeto de conclusão de curso, o designer passou a fazer experimentos com algas marinhas. Nos testes com elas, usava uma pasta feita de amido de batata e água.

“Certa vez derramei acidentalmente um pouco desse fluido e percebi que ele havia secado formando um filme plástico”, conta.

Foi a deixa para abandonar as algas e focar na fécula de batata. E havia uma razão para isso: concentrar-se na produção local.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis

O designer sueco criou o talher de plástico de batata para ser usado sobretudo em fast-foods
Crédito: Reprodução/Material Design LabO designer sueco criou o talher de plástico de batata para ser usado sobretudo em fast-foods

Fazia todo o sentido: a produção de batata é abundante na Suécia. E ela pode ser substituída por outros tipos de amido, como o de milho, no processo, de acordo com as características do cultivo agrícola do país em que o talher for fabricado.

Para aprimorar ainda mais seu invento, Törnqvist passou um tempo nas dependências do Material Design Lab, em Copenhague, Dinamarca. Trata-se de um laboratório propício para o estudo de novos materiais.

“Lá, adicionei um ingrediente natural para tornar o plástico de batata ainda mais flexível”, afirma. “Assim, posso fazer com ele outros produtos, como bolsas e sacolas.”

Com esse desenvolvimento e o seu talher de plástico de batata, Törnqvist ganhou o James Dyson Award, prêmio voltado para inovações de design do mundo todo.

Leia também: Chinelos feitos de cana-de-açúcar reduzem pegada ecológica

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.