Burger King lança ‘lanche infeliz’ para falar de saúde mental

No Brasil, rede realiza campanhas que chamam a atenção para temas como poliamor, preconceito nas redes sociais e conscientização política

Por: Redação |

Ninguém é feliz todo o tempo. Foi para passar essa mensagem e falar de saúde mental que o Burger King dos EUA lançou a campanha de um “lanche infeliz”.

Catraca Livre criou o projeto Causando, apoiado pelo Carrefour, para mostrar como as marcas desenvolvem e assumem causas.

Com a Mental Health America, a rede de restaurantes criou o Real Meals (refeições reais). No cardápio, diferentes estados de humor.

Há o combo de Pissed Meal, para quem está bravo; o Blue Meal, para os tristes; o Salty Meal, para quem está meio amargo; o YAAAS Meal, voltado a quem está animado; e o DGAF Meal, para quem quer ligar o f**a-se.

Nas redes sociais, a ação é compartilhada com a hashtag #FeelYourWay (sinta-se do seu jeito).

No Brasil

No Brasil, a rede de fast-food Burger King tem realizado campanhas para falar sobre questões sociais que mobilizam nossos tempos.

O poliamor é uma das questões sociais tratadas pela rede Burger King em suas campanhas
Crédito: Reprodução/Burger KingO poliamor é uma das questões sociais tratadas pela rede Burger King em suas campanhas

Foi assim com a ação que abordou o poliamor. Sabe aquele momento em que você para diante dos itens do cardápio e fica sem saber o que pedir?

Pois o Burger King levou essa dúvida atroz para o campo dos relacionamentos. O mote adotado foi “Em vez de um ou outro, um e outro”.

Ele fazia referência tanto a uma promoção que permitia combinar dois sanduíches da rede, a “King em Dobro”, como ao “trisal” que estrelava a campanha.

Foi até realizado um debate sobre todas as formas de amor em um dos restaurantes da marca, com a presença do canal Quebrando o Tabu.

Para quem se chocou com um trio de namorados, o Burger King lançou um comercial tratando a relação a três como “amizade colorida” ao chamar os três protagonistas de “poliamigos”.

Opinião, sim. Preconceito, não. Por sinal, ressaltar a diferença entre uma e outro foi o objetivo da campanha “Saiba a Diferença”.

A rede de fast-food, então, elencou opiniões de seus “haters” sobre os produtos que oferece, lembrando que é lícito não gostarem de sua comida.

Em seguida, listou exemplos verdadeiros, encontrados na internet, de tipos de ódio que, esses sim, devem ser banidos da sociedade. Afinal, preconceito, nunca.

E até nas eleições o Burger King deu seu “pitaco”. Com a campanha “Whopper em Branco”, reforçou que um voto em branco pode ser tão ruim quanto um hambúrguer sem o seu recheio principal.

As campanhas da rede sobre questões sociais foram assinadas pela agência David SP.

Leia também: Contra o ódio nas redes sociais, campanha une hater e vítimas

Compartilhe: