Festival Path Amazonia
Festival Path Amazonia
Festival Path Amazonia
logo

Festival Path Amazonia

Lideranças indígenas mostram sua potência compartilhando vivências no Path Amazônia

Programação do festival está cheia de oportunidades para entender a fundo as necessidades dos povos originários

Por: Publi

A Amazônia é o principal foco na edição deste ano do Festival Path. Maior plataforma de inovação e criatividade do Brasil, o evento discute emergência climática, sustentabilidade e preservação deste bioma tão necessário para conter a crise ambiental que estamos vivendo.

Além de sua importância como reguladora das temperaturas e absorção das emissões de gases provocadores do efeito estufa, a Amazônia é morada. Lar de inúmeras espécies de animais e plantas, a floresta é mantida de pé – apesar do desmatamento intensificado nos últimos anos – pela ação de lideranças indígenas, ribeirinhas, quilombolas e de ativistas que entendem sua importância global.


Escritor, ambientalista e conferencista indígena, Kaká Werá compartilha no Path sua visão sobre nosso planeta como morada
Crédito: Alícia Peres | DivulgaçãoEscritor, ambientalista e conferencista indígena, Kaká Werá compartilha no Path sua visão sobre nosso planeta como morada

A programação do Path Amazônia chega finíssima com boas oportunidades para entender a fundo as necessidades desses povos e pesquisadores que se dedicam a frear a derrubada da floresta.

Em “Como cuidar, regenerar e curar a terra?”, o escritor, ambientalista e conferencista indígena brasileiro Kaká Werá compartilha sua visão sobre nosso planeta como morada. Com origem no povo tapuia, o estudioso destaca diversos aspectos nesse encontro, levando em consideração a importância de reconhecermos nossa origem, nos identificando com o lugar de onde viemos.

Segundo o fundador do Instituto Arapoty, que difunde as tradições indígenas para jovens e ajuda aldeias a trabalhar de forma sustentável, um dos grandes desafios da sociedade atual é justamente ter rompido com suas raízes. Kaká Werá também discute o comportamento humano em explorar exacerbadamente nossos recursos naturais, entre outros pontos relacionados à preservação.

Autor, ativista, professor, conferencista e terapeuta há mais de 25 anos, Kaká Werá é um facilitador de processos de autoconhecimento, autoliderança e desenvolvimento pessoal, utilizando os fundamentos da sabedoria milenar da Tradição Tupi, a qual possui notória experiência e vivência. É autor de diversos livros, dentre eles os mais recentes são: “A Águia e o Colibri” (2019), escrito em parceria com Roberto Crema, e “O Trovão e o Vento”, pela Editora Polar (2016).


Liderança da Marcha das Mulheres Indígenas, Cris Pankararu é uma das participantes da mesa 'Regeneração a partir do olhar da ancestralidade indígena'
Crédito: DivulgaçãoLiderança da Marcha das Mulheres Indígenas, Cris Pankararu é uma das participantes da mesa ‘Regeneração a partir do olhar da ancestralidade indígena’

Já a mesa “Regeneração a partir do olhar da ancestralidade indígena” chega com a potência das mulheres e dos saberes da floresta. Cris Pankararu, liderança da Marcha das Mulheres Indígenas; Edina Shanenawa, Mukani Shanenawa e Daiara Tukano falam sobre as sementes que precisam ser plantadas para reflorestar as mentes da humanidade para a cura da Terra.

Com mediação da empreendedora e indigenista Maní Inu, a mesa propõe uma troca de conhecimentos a partir da cosmovisão das mulheres indígenas.

E ainda tem o painel “Retomando a conversa com nosso ecossistema” que é uma conversa sobre a necessidade de costurar nossas sombras sobre o planeta. A mesa é conduzida pela Dra. Sofia Mendonça, médica sanitarista, mestre em antropologia e coordenadora do Projeto Xingu, programa de extensão universitária da Unifesp.

Trabalhando com saúde e povos indígenas desde 1981, Dra. Sofia propõe reflexão sobre os caminhos para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável e como isso depende de ouvirmos mais, pensar junto com os povos indígenas e estratégias de retomar a conversa com os seres visíveis e os invisíveis, que regem as matas e as águas.

Dra. Sofia Mendonça, médica sanitarista e coordenadora do Projeto Xingu, em oficina culinária na aldeia Tubatuba, do povo Yudjá
Crédito: Helio Carlos Mello/Projeto Xingu | DivulgaçãoDra. Sofia Mendonça, médica sanitarista e coordenadora do Projeto Xingu, em oficina culinária na aldeia Tubatuba, do povo Yudjá

Neste ano, o evento tem ingresso solidário, mas o público poderá contribuir com o valor que desejar ou assistir gratuitamente. Para se cadastrar e curtir as mesas e debates do evento é só acessar o site ondemand.festivalpath.com.br.

Inicialmente planejado para ser transmitido de um navio na Amazônia, agora por conta do agravamento da variante delta e por recomendações das autoridades locais o Path será 100% online, impactando milhões de pessoas.  A Catraca Livre é uma das apoiadoras do festival, que conta ainda com patrocínios do grupo Heineken, Mastercard e da Volvo Car Brasil, além de parceiros como TRIP, Vida Simples e YAM.


Compartilhe: