14 fatores de risco para demência precoce, segundo a ciência

Pesquisa levou em conta fatores como predisposições genéticas e influências de ambiente e estilo de vida

Segundo especialistas, isolamento social pode ser considerado um dos indicadores de demência em estágio precoce – iStock/Getty Images
Créditos: doidam10/istock
Segundo especialistas, isolamento social pode ser considerado um dos indicadores de demência em estágio precoce – iStock/Getty Images

Em todo o mundo, aproximadamente 50 milhões de pessoas apresentam algum grau demência. Para entender mais sobre a doença, um grupo de pesquisadores de universidades europeias, ao estudar mais de 350 mil indivíduos com menos de 65 anos em todo o Reino Unido, identificou diversos fatores de risco para condição no estágio precoce. Os dados, coletados do estudo britânico UK Biobank, foram revistos em uma publicação na revista JAMA Neurology.

Quais são os fatores de risco? 

Para entender eventuais fatores de risco associados à doença, a equipe analisou uma variedade extensa de possíveis causas para a condição neurológica, incluindo predisposições genéticas e influências de ambiente e estilo de vida. No modelo final do estudo, vários fatores mostraram uma forte associação com um maior risco de demência de início precoce, como:

  • baixo nível de escolaridade formal;
  • baixo status socioeconômico;
  • presença do alelo 2 da apolipoproteína ε4 no corpo;
  • transtornos por uso de álcool;
  • isolamento social;
  • deficiência de vitamina D;  
  • níveis elevados de proteína C-reativa;
  • menor força de preensão manual;
  • deficiência auditiva;
  • hipotensão ortostática;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • diabetes;
  • doença cardíaca;
  • depressão.

Para os especialistas, a descoberta de que esses fatores podem influenciar no surgimento da demência de início precoce desafia a visão comum de que a genética é a única responsável pela doença.

Estudo também fala de prevenção

De acordo com os pesquisadores, é a primeira vez que resultados sugerem que é possível diminuir o risco da demência precoce ao focar em mudanças de saúde e estilo de vida.

Para o coautor do estudo, Sebastian Köhler, a equipe já tinha conhecimento de que há uma série de fatores de risco modificáveis para pessoas que desenvolvem demência em idade avançada: “O fato de que isso é igualmente evidente na demência de início precoce foi uma surpresa para mim e pode oferecer oportunidades para reduzir o risco nesse grupo também.”

Enquanto David Llewellyn, professor da Universidade de Exeter e coautor do estudo, acredita que há muito a aprender em termos de prevenção, identificação e tratamento de todas as formas de demência, mas essa nova pesquisa representa um grande avanço em direção a uma compreensão mais ampla da doença.

“De maneira empolgante, pela primeira vez, ele revela que podemos agir para reduzir o risco dessa condição debilitante, por meio do direcionamento de uma variedade de fatores diferentes”, conclui.