Arroto pode ser sintoma de gastrite ou refluxo, explica especialista

Por: Redação

Conhecida popularmente como arroto, a eructação é o ato de expulsar o ar do estômago ou esôfago através da boca. Talvez muitas pessoas não saibam, mas a eructação em excesso que incomoda o paciente pode ser considerada uma doença.

iStock / deeepblue
Saiba quando o arroto deixa de ser normal

O gastroenterologista Leonardo Peixoto falou ao site “Minha Vida” sobre o assunto e explica quando o arroto deixa de ser normal. Confira trecho abaixo:

“A eructação só é considerada uma doença quando se torna muito frequente e incomoda o paciente. A principal causa de eructação excessiva é a eructação supragástrica, na qual o ar, que é puxado para o esôfago pela contração do diafragma e relaxamento do esfíncter esofagiano superior, é imediatamente liberado, sem chegar ao estômago. Geralmente está associado a fatores como ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, bulimia e outras alterações do sistema nervoso central.

Outra causa comum de eructação é a doença do refluxo gastroesofágico, além de síndrome dispéptica, doença ulcerosa péptica, gastroparesia, gastrite, esofagite, neopalsia e acalásia, mas nesses casos habitualmente a eructação é apenas um entre vários sintomas apresentados. A presença de emagrecimento, pirose, dor abdominal, vômitos, regurgitação, febre e anemia são sinais de alerta para doenças orgânicas e indicam a necessidade de avaliação por um médico.

O tratamento da eructação supragástrica envolve reconhecer o problema e, em casos selecionados, ser avaliado por psiquiatra ou psicólogo. Por fim, um médico deve ser consultado se a eructação for muito frequente e causar incômodo ou se houver a presença dos sinais de alarme descritos acima.”

Leia o texto na íntegra aqui.

Compartilhe: