Últimas notícias:

Loading...

Cientistas descobrem bactéria gigante visível a olho nu

Organismo unicelular é tão grande que pode ser pego com uma pinça, segundo autores do estudo

Por: Redação

Uma equipe de cientistas descobriu uma espécie macroscópica de bactéria que vive nas águas de Guadalupe, no Caribe. A espécie recém-descoberta é chamada Thiomargarita magnifica, e é tão grande que suas células únicas são visíveis a olho nu, de acordo com um estudo publicado na revista Science.

Segundo os pesquisadores, as células da maioria das espécies bacterianas têm cerca de 2 micrômetros de comprimento, com alguns dos maiores atingindo 750 micrômetros. Porém, a Thiomargarita magnifica tem um comprimento celular médio superior a 9000 micrômetros. Ela 5.000 vezes maior que outros organismos do gênero e pode ser pega com uma pinça.

bactéria visível
Crédito: Tomas Tyml/Laboratório Nacional Laurence BerkeleyFilamentos da bactéria gigante ao lado de uma moeda de dez centavos

Além disso, a T. magnifica mostra sinais de maior complexidade em bactérias. Em vez de seu DNA apenas flutuar na célula, sua informação genética está escondida dentro de estruturas ligadas à membrana, como a dos seres humanos.

5 mil vezes maior

“A bactéria que descobrimos tem aproximadamente a forma e o tamanho de um cílio e, no entanto, é uma única célula bacteriana”, disse o principal autor do estudo, Jean-Marie Volland, biólogo marinho do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley e do Laboratório de Pesquisa em Sistemas Complexos da Califórnia, em entrevista coletiva.

“Essas bactérias são cerca de 5.000 vezes maiores que a maioria das bactérias”, acrescentou Volland. “Para colocar as coisas em perspectiva, é o equivalente para nós, humanos, encontrarmos outro humano que seria tão alto quanto o Monte Everest.”

Os pesquisadores conseguiram conseguir uma imagem da bactéria, graças à “análise de microscopia em três dimensões” e com a maior ampliação possível.

bactéria gigante
Crédito: Jean-Marie Volland Bactéria T. magnifica 

A equipe de pesquisa sequenciou e analisou o genoma de T. magnifica e revelou como a bactéria se reproduz: uma extremidade da bactéria alongada se contrai, dividindo a célula de T. magnifica em duas.

A análise genômica mostrou que a bactéria tem um genoma extenso – cerca de 12 milhões de pares de bases , cerca de duas vezes o comprimento de alguns genomas bacterianos relacionados.

Compartilhe:

?>