Publicidade

Informar

Bruna Marquezine conta que emagreceu devido disfunção na tireoide

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade
Bruna Marquezine

Por causa de sua personagem na novela “Deus Salve o Rei“, que estreou nesta terça-feira, 9, a atriz Bruna Marquezine decidiu que precisava emagrecer para ficar com um rosto mais duro para viver a vilã da trama.

“Eu tenho um rosto de menina e sempre que o rostinho fica redondinho infantiliza um pouco. E eu queria essa expressão mais madura”, revelou a atriz ao “Extra” durante o lançamento da novela em um cinema no Rio de Janeiro nesta segunda-feira, 8.

A atriz buscou emagrecer de forma saudável e com acompanhamento médico. O que ela não esperava é que, durante o processo, acabasse descobrindo uma disfunção na tireoide, o que fez com que ela perdesse mais peso ainda.

“Não fiz essa transformação da noite para o dia, não tive que sacrificar minha saúde. Mas, com isso, consequentemente, eu descobri, me cuidando, que eu tenho um probleminha na tireoide”, contou a atriz.

“Não chega a ser uma doença, mas ela não está funcionando muito bem. É só uma função que não está rolando e muitas mulheres sofrem disso. Isso fez com que eu acabasse emagrecendo. Porque o meu metabolismo não estava funcionando como deveria estar como uma menina de 22 anos”, contou Bruna, que fez questão de reforçar que emagreceu por causa do trabalho e não por estética e ainda criticou a ditadura da magreza.

“A gente já vive nessa ditadura de que a mulher tem que estar magra, existe um corpo perfeito, todas as meninas da minha idade e eu, por muito tempo, tentei me enquadrar nesse padrão. Eu sei o quanto isso nos machuca, mulheres, então tento não falar muito disso, nesse lugar de atrelar magreza com beleza”, decretou ela.

  • Leia mais:

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade