Característica narcisista pode proteger contra a depressão e estresse

Autoconfiança excessiva ajuda a promover o bem-estar mental, de acordo com estudo irlandês

Por: Redação

Pessoas com traço narcista costumam não ser vistas com bons olhos, porém, a característica parece ter um lado positivo. De acordo com um estudo feito por pesquisadores irlandeses da Queen’s University Belfast, quem se valoriza muito tem menos chances de sofrer com depressão e estresse.

Para chegar a esse resultado, publicado na revista científica Personality and Individual Differences, a equipe avaliou 700 pessoas em três estudos separados.

Todos os participantes tiveram que preencher questionários que mediam o nível do narcisismo, resistência mental, sintomas de depressão e estresse.

mulher beijando o espelho
Crédito: Bowie15/istockNarcisista tem menos chances de sofrer com estresse e depressão

Aquelas pessoas que apresentaram níveis mais elevados de narcisismo eram as que menos demonstraram sintomas de psicopatologias. Acredita-se que isso seja efeito da autoconfiança característica desses indivíduos.

De acordo com um dos autores do estudo, o professor Kostas papageorgiou, pessoas com traços de narcisismo não devem ser vistas como boas ou ruins, mas como “produtos da evolução e expressões da natureza humana que podem ser benéficas ou prejudiciais, dependendo do contexto.”

Tipos de narcisismo

Os cientistas destacaram ainda que existem duas formas predominantes de narcisismo: grandioso e vulnerável. “Os narcisistas vulneráveis tendem a ser mais defensivos e vêem o comportamento dos outros como hostil, enquanto os narcisistas grandiosos costumam ter um senso de importância excessivamente inflado e uma preocupação com status e poder”, afirmou Papageorgiou.

A proteção contra os problemas de saúde mental ficou mais evidente em quem sofre de narcisismo grandioso, ou seja, pessoas com ideia de superioridade e pretensão. Nos participantes com narcisismo vulnerável, o mesmo efeito não foi observado.

homem tirando selfie
Crédito: FG Trade/istockExcesso de confiança e pouca empatia são características de pessoas narcisistas

O professor também explicou que pessoas com alto nível de traços de narcisismo se envolvem em comportamentos de risco, mantêm uma visão superior irrealista de si mesmos, têm excesso de confiança, demonstram pouca empatia pelos outros e pouca vergonha ou culpa.

Geração narcisista

No início deste ano, um estudo realizado pela Universidade Estadual de Bowling Green, nos EUA, descobriu que adultos jovens com idades entre 18 e 25 anos acreditam que sua geração é a mais narcisista. O estudo mostrou, no entanto, que esses jovens da geração das selfies não se sentem confortáveis em ser rotulados dessa forma.

1
Brasil registra primeira suspeita de coronavírus
Em nota, a Secretária de Saúde do Estado de Minas Gerais confirmou a primeira suspeita de coronavírus, doença misteriosa que …
2
Doença desconhecida preocupa médicos e autoridades na China
Uma pneumonia viral e com causas desconhecidas tem despertado a atenção de médicos, especialistas e autoridades na cidade Wuhan, região …
3
Fone de ouvido: o que ele pode causar na sua audição
Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 50% da população entre 12 e 35 anos corre o risco …
4
Câncer de próstata: saiba o que é e como se prevenir da doença
O câncer de próstata é o segundo tipo de tumor mais comum entre os brasileiros. De acordo com informações do …
5
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
6
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
7
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
8
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …