Últimas notícias:

Loading...

Claudia Rodrigues é internada para tratar doença autoimune

Atriz ficou meses sem a medicação e chegou a ter princípio de surto

Por: Redação

Claudia Rodrigues foi internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, na segunda-feira, 23, para receber medicação importada para tratamento da esclerose múltipla, doença autoimune diagnosticada em 2000.

Segundo a empresária da atriz, Adriane Bonato, Claudia foi internada para receber a medicação que vem dos Estados Unidos e que foi suspensa para que a atriz pudesse ser vacinada contra a covid-19.

claudia rodrigues
Crédito: Reprodução/Instagram/ claudia_rodrigues_oficialClaudia Rodrigues é internada para receber medicamento para tratar esclerose múltipla

O remédio que tem como objetivo retardar o avanço da esclerose múltipla vem apresentando bons resultados no quadro da atriz.

Desde que ela começou o tratamento, a doença degenerativa, que estava em progressão, foi estabilizada e as novas lesões que surgiram no cerebelo chegaram a desaparecer por completo, um dos efeitos da medicação.

Porém, durante o período em que a atriz ficou sem o tratamento para poder se vacinar contra a covid-19, o quadro piorou, e Claudia precisou ser internada no dia 9 de julho, após um mal-estar.

Na ocasião, a atriz teve dormência nos membros do lado direito, dor de cabeça, febre e confusão mental. O tratamento foi interrompido justamente porque não se sabe quais os efeitos combinados com a vacina da covid-19.

Esclerose múltipla

A doença crônica degenerativa, progressiva e autoimune compromete gradativamente o sistema nervoso central. Ela ocasiona a perda de mielina (substância cuja função é fazer com que o impulso nervoso percorra os neurônios), o que leva à interferência na transmissão dos impulsos elétricos e isto produz os diversos sintomas da doença, como aponta a ABEM – Associação Brasileira de Esclerose Múltipla.

O problema atinge 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados da OMS, sendo 35 mil delas no Brasil, estima a ABEM.

Apesar de atingir pessoas de todas as idades, a doença acomete com maior frequência pessoas de 20 a 40 anos, na maioria das vezes, mulheres brancas.

De acordo com a coordenadora do Instituto de Neurologia do Hospital Santa Paula, Renata Simm, os sintomas são variados e duram mais que 24 horas. A esclerose múltipla se manifesta por surtos que começam de repente, atingem o ápice e cessam.

O diagnóstico é clínico, baseado no relato do paciente e em exames como a ressonância magnética do cérebro e o exame do líquido da espinha.

Compartilhe:

?>