Como lidar com a dor do fim de um relacionamento

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Getty Images/iStockphotoRomper relacionamento é uma das experiências mais dolorosas e estressantes

O fim de qualquer relacionamento amoroso é uma das experiências mais dolorosas e que pode gerar um enorme sofrimento, um turbilhão de emoções e até adoecer mental e fisicamente os envolvidos.

Essa experiência pode fazer as duas partes – tanto quem toma a decisão, quanto quem recebe o fora – vivenciarem um misto de sentimentos, que incluem confusão, culpa, medo do futuro, tristeza, solidão e, muitas vezes, depressão.

Elisabeth Kübler-Ross, uma psiquiatra suíço-americana, que se especializou em cuidados paliativos e em situações próximas da morte, desenvolveu o famoso modelo Kübler-Ross, em que classificou as cinco fases do luto. Esses estágios também valem para sensações experimentadas diante de perdas amorosas.

Segundo ela, as fases do luto passam por sentimentos de negação, raiva, barganha, depressão e, finalmente, aceitação. O processo é longo e, embora não exista fórmula mágica para acabar com a dor, existem maneiras de amenizá-la e abreviar o sofrimento.

Conversamos com uma psicóloga e uma psicanalista especialistas em terapia de casais e sexualidade humana que listam algumas orientações para encarar o momento de dor; confira:

Permita-se sofrer

O sofrimento é inevitável, natural e até necessário nesses momentos. Para as especialistas, a melhor maneira de lidar com ele é encará-lo completamente.

“Quando o outro me deixa, eu tenho uma dor muito forte. Então, vai haver uma mistura de sentimentos cíclicos. Pode haver solidão, vontade de morrer, de afastar-se de todo mundo, sensação de abandono. Mas uma aceitação bem feita desse luto vai revertendo aquele amor da relação para ela mesma”, explica Dorli Kamkhagi, psicanalista do Laboratório de Neurociências do IPq – Instituto de Psiquiatria da USP.

Dê um tempo a você

A maioria das pessoas já ouviu o velho ditado “o tempo cura todas as feridas” e isso também é verdadeiro quando se trata de relacionamentos. Esse tempo varia de pessoa para pessoa. Algumas superam a dor depois do primeiro mês, outras precisam de um ano ou até mais. No entanto, quando o sofrimento ultrapassa muito mais que isso e prejudica o trabalho ou os estudos, o ideal é procurar ajuda terapêutica ou médica. “A terapia vai dar novos significados sobre quem a pessoa é e a ajuda a perceber sozinha que há outras perspectivas e possibilidades na vida”, explica Dorli.

Não encare a dor sozinho (a)

Crédito: Getty ImagesFazer novos amigos e procurar os antigos é uma forma de encarar a dor

Para as especialistas, é importante pedir ajuda de familiares e amigos e abrir o jogo sobre como está se sentindo.  “Costumo dizer que é bom viver a ‘síndrome do Gasparzinho’ [aquela em que a pessoa se esforça para ser simpática], de ir atrás dos amigos, de procurar companhia, de se cercar de pessoas. Não tenha vergonha de perguntar se o outro quer ser seu amigo e resgatar os mais antigos que você não vê há um tempo”, orienta a psicóloga Adriana Severin, especialista em sexualidade humana.

Evite contato via redes sociais

Ao terminar uma relação, é comum surgir uma curiosidade sobre como o(a) ex está lidando com a situação, mas dar aquela espiadinha nas redes sociais dele(a) não é a melhor decisão.

Esse acompanhamento a distância pode trazer uma falsa esperança de retorno, gerando ainda mais dificuldade na elaboração desse rompimento. Além disso, a espiadinha pode causar um sofrimento ainda maior, principalmente, se o outro já estiver tocando a vida.

Adote o hábito de escrever o que você está sentindo

Colocar no papel tudo o que você está sentindo ou pensando é uma maneira de tirar do peito a angústia e colocar para fora um pouco da dor. Também é interessante listar tudo o que o relacionamento antigo tinha de positivo e negativo. De acordo com a psicóloga Adriana Severin, no começo, só irão aparecer coisas boas porque há uma tendência de ver o outro de maneira idealizada. “Mas aos poucos, a pessoa começa a perceber que nem tudo era tão bom assim”, explica.

Reconstrua uma nova rotina

Perder uma pessoa significa também perda de rotina. Chegar em casa à noite e não receber aquela ligação, passar o fim de semana sem encontrar o outro, tudo isso causa sensação de lacunas e vazio. Por isso, passado o primeiro período de dor, é importante dar novos significados ao tempo livre. “Esse é o momento de a pessoa ser criativa com ela mesma, procurar novos cursos, novos hobbies, novas ocupações que a tirem da rotina antiga e evita lembranças”, sugere a especialista do IPq, Dorli Kamkhagi.

Zere os sentimentos antes de engatar outro relacionamento

A ideia de que um amor cura o outro, na prática, pode não ser a melhor solução. As terapeutas concordam que antes de começar um novo relacionamento é preciso zerar os sentimentos antigos e estar bem na própria companhia.

Compartilhe:

Tags: #tratamento
1 / 8
1
01:33
Secreção vaginal: quais são os tipos e o que eles indicam
Ter secreção vaginal é normal? A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra, fala sobre quais os tipos de secreção vaginal e …
2
02:27
Escolhas que trazem longevidade
Se você pudesse escolher viver até os 100 anos, o que você faria? O Dr. João Paulo Nogueira, médico e fundador …
3
02:11
É importante tomar a vacina da hepatite?
O que é hepatite? e qual a importância em se vacinar contra esta doença? O Dr. Gonzalo Vecina, médico e fundador …
4
02:10
Como cuidar da saúde dos olhos
A saúde dos olhos depende de algum fator específico? A história de que comer cenoura faz bem para a visão, …
5
02:15
Os 3 níveis de estresse infantil
Quais são os níveis de estresses que uma criança pode ter? Como eles são classificados? A Dra. Ana Escobar, pediatra e …
6
06:25
O que você precisa saber sobre o HPV?
Quais os sinais que indicam o HPV? E como se prevenir deste vírus? A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra, fala …
7
03:04
O que fazer para ter uma boa velhice?
Quais hábitos podemos ter para chegarmos bem a terceira idade? O Dr. João Nogueira, médico e fundador do Horas da Vida, …
8
02:29
A relação da diabetes com a visão
Qual a relação da diabetes com a visão? Existe algum sintoma na região ocular que indica diabetes? O Dr. Julio Abucham, …