Conheça os sinais que indicam síndrome dos ovários policísticos

O distúrbio é considerado uma das principais causas de infertilidade

Por: Redação | Comunicar erro
Tags: #doenca

A síndrome dos ovários policísticos é um distúrbio hormonal que afeta 20% das mulheres durante a fase de vida reprodutiva. A doença interfere no processo normal de ovulação e é definida por um aumento de tamanho dos ovários, que criam várias bolsas cheias de líquido, os cistos.

Em artigo no site Minha Vida, parceiro do Catraca Livre, o ginecologista e obstetra Jurandir Piassi Passos esclarece que a causa exata da síndrome dos ovários policísticos é desconhecida, mas o diagnóstico precoce pode reduzir o risco de complicações de longo prazo, tais como diabetes do tipo 2 e as doenças cardíacas.

Embora ainda não se tenha descoberto a causa do problema, alguns fatores são frequentemente associados ao distúrbio. São eles: excesso de insulina, resistência à insulina, histórico familiar, baixo peso ao nascer, pubarca precoce (aparecimento dos pelos pubianos no início da puberdade).

Sintomas da Síndrome do ovário policístico

Crédito: Getty Images/iStockphotoAcne na fase adulta é um dos sinais

Os primeiros sintomas da síndrome dos ovários policísticos geralmente acontecem logo após a primeira menstruação. Em alguns casos, a doença se desenvolve mais tarde, durante os anos reprodutivos, provavelmente em resposta a algum gatilho hormonal, como o ganho de peso.

Os sintomas variam de pessoa para pessoa, assim como a gravidade. Para ser diagnosticado com a doença, é preciso ter pelo menos dois dos seguintes sinais:

  • Menstruação anormal, por exemplo, com intervalos menstruais de 35 dias, menos de oito ciclos menstruais por ano, amenorreia por quatro meses ou mais e períodos de menstruação intensa e prolongada
  • Níveis elevados de hormônios masculinos (andrógenos), que podem resultar em características físicas como excesso de pelos faciais e no corpo, acne adulta ou adolescente severa, calvície de padrão masculino
  • Pequenos cistos nos ovários identificados em ultrassonografia.

Clique aqui e continue lendo para saber sobre diagnósticos, exames e tratamentos.

Confira também:

Compartilhe: