Depressão é maior entre quem come carne e açúcar em excesso

Estudo foi realizado com mais de 100 mil pessoas entre 16 e 72 anos

Por: Redação Comunicar erro
pedaços de carne em uma tábua de corte
Crédito: bigacis/istockCarne é um dos alimentos que aumentam inflamação no organismo

Um estudo feito pela Universidade Metropolitana de Manchester, na Inglaterra, descobriu que quem come mais alimentos inflamatórios, como carnes, gordura e açúcar, tem 40% mais chance de desenvolver depressão.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram os padrões alimentares de mais de 100 mil participantes com idades entre 16 e 72 anos. Ficou evidente que aqueles que tinham uma alimentação rica em alimentos inflamatórios eram mais propensos à depressão que os participantes que adotavam uma dieta anti-inflamatória, rica em frutas, legumes, verduras e oleaginosas.

De acordo com os autores do estudo, a adoção desse tipo de dieta mais saudável pode ser uma maneira eficaz que ajuda a prevenir depressão, além de ser mais barata que as intervenções farmacológicas para tratar a doença quando já instalada.

Depressão

mulher triste
Crédito: kitzcorner/istockDepressão é uma doença incapacitante

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão atinge hoje 300 milhões de pessoas em todo o mudo e pode se tornar a doença mais incapacitante até 2020.

Por não ter um padrão único, os sintomas da depressão podem progredir gradualmente desde o leve, como evitar atividades sociais, até os mais graves, como pensamento suicida. A progressão varia de pessoa para pessoa.

Entre o sintomas estão:

  • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia;
  • Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas;
  • Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis;
  • Desinteresse, falta de motivação e apatia;
  • Falta de vontade e indecisão;
  • Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio;
  • Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa auto-estima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade;
  • Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom “cinzento” para si, os outros e seu mundo;
  • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento;
  • Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido;
  • Perda ou aumento do apetite e do peso;
  • Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário . habitual) ou, menos freqüentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo)

Compartilhe:

1 / 8
1
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
2
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …
3
04:43
Quais são os sintomas da Esquizofrenia?
A esquizofrenia é um dos tipos da psicose, que é um sintoma que descreve condições que afetam a mente. Hoje, o …
4
03:10
Como os fatores sociais impactam a expectativa de vida
Saneamento básico e desemprego são alguns dos fatores que podem impactar diretamente com a nossa longevidade. Hoje, a Dra. Aline de …
5
01:28
Psicose: saiba como identificar
Pensamentos vagos e incoerentes? Como identificar um surto psicótico? Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, fala sobre os sintomas da …
6
02:11
Saiba como identificar os sintomas da diverticulite
A diverticulite tem se tornado uma doença comum, principalmente para pessoas acima dos 60 anos. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
7
03:59
Quais sintomas o álcool pode trazer?
O álcool é usado mundialmente, desde a antiguidade. Mas como saber se o seu uso, está nos afetando? Hoje, o Dr. …
8
02:58
Como se prevenir de doenças
Você sabe o que são as doenças crônicas não transmissíveis? Hoje, a Dra. Aline Oliveira, médica de família, fala sobre ações …