DIU de cobre, prata e hormonal: vantagens, desvantagens e preços

Embora eficiente e seguro, o dispositivo intrauterino é um método contraceptivo usado por apenas 2% das brasileiras; conheça cada tipo

Por: Redação

Um dos métodos contraceptivos mais seguros, o Dispositivo Intrauterino, conhecido como DIU, ainda é motivo de muitas dúvidas. Afinal, quais os tipos existentes? Para quais mulheres são mais indicados? Trazem riscos?

Esse método contraceptivo consiste na utilização de uma haste maleável, que mede em torno de 3,5 cm de comprimento e é colocada na cavidade uterina da mulher.

Com relação aos tipos, existem o não hormonal (de cobre e de prata), que confere uma barreira mecânica ao acesso do espermatozoide ao óvulo, e o hormonal (Mirena), que além da anticoncepção pode ser usado no tratamento de algumas doenças. Existe ainda o Mini-DIU, criado para mulheres com úteros reduzidos ou por aquelas que nunca tiveram filhos.

médico segurando diu
Crédito: Flocu/istockO DIU de cobre libera íons de cobre que impedem o encontro do espermatozoide com o óvulo

Além de ser seguro, a grande vantagem do DIU é que ele não exige disciplina, como no caso da pílula, que precisa ser tomada sempre no horário habitual. Outra vantagem é que não gera custos adicionas depois da sua inserção.

Apesar disso, no Brasil, apenas 2% da população feminina usa esse método contraceptivo, enquanto que, na Europa,  25% da população em idade reprodutiva é adepta.

A ginecologista Fernanda Torras acredita que a falta de informação é uma das principais razões que justificam a não aderência das brasileiras a esse método. “Por exemplo, acreditar que é abortivo ou que pode deixar uma mulher, que ainda não teve filho, infértil”, cita a médica.

No Manual Global para Profissionais de Serviços de Saúde, a OMS (Organização Mundial da Saúde) esclareceu os seguintes mitos sobre os dispositivos intrauterinos:

  • Raramente conduzem a uma Doença Inflamatória Pélvica (DIP)
  • Não aumentam o risco de contrair DSTs, inclusive HIV
  • Não aumentam o risco de aborto espontâneo quando a mulher engravida depois do DIU ser removido
  • Não tornam a mulher estéril
  • Não causam defeitos ou malformações de nascença
  • Não causam câncer
  • Não se deslocam até o coração ou o cérebro
  • Não causam desconforto ou dor para a mulher durante o sexo
  • Reduzem substancialmente o risco de gravidez ectópica (complicação em que o embrião se forma fora do útero)

De Cobre, Prata ou Hormonal?

Para a médica Fernanda Torras, a escolha do melhor método anticoncepcional cabe sempre à mulher, já que ela saberá suas necessidades e restrições.

“Para quem busca um alto índice de eficiência, ele [o DIU] é uma ótima alternativa à laqueadura tubária (superior a 99% de eficácia) e traz alguns benefícios combinados, como a redução do fluxo menstrual – para o DIU Hormonal, e o tratamento de algumas doenças, como a endometriose”, explica.

Entenda melhor cada um dos tipos:

ilustração mostra um diu no corpo de uma mulher
Crédito: FancyTapis/istockO SUS disponibiliza o DIU de Cobre sem custo algum

DIU de Cobre

O DIU de Cobre funciona basicamente provocando uma alteração química, que danifica o esperma e o óvulo antes que eles se encontrem. Esse tipo de dispositivo pode permanecer no corpo de 5 a 10 anos.

Segundo Fernanda Torras, esse tipo possui boa eficácia quando bem posicionado no útero. “O efeito colateral mais frequente é o aumento do fluxo menstrual devido ao processo inflamatório causado dentro do útero. O problema pode ser contornado com o uso de medicamentos”, afirma.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um risco conhecido, embora incomum, é que ele pode contribuir para ocorrência de anemia caso a mulher já tenha baixas reservas de ferro no sangue e o fluxo menstrual se intensifique.

Principais pontos do DIU de Cobre:

  • Imediatamente reversível
  • Sangramento mais longo e intenso e mais cólicas, especialmente nos primeiros 3 a 6 meses
  • Pode ficar no corpo de 5 a 10 anos

DIU de Prata

Esse tipo possui a forma de “Y” não “T”, como o de cobre e o hormonal, e traz uma pequena porcentagem de prata misturada ao cobre, o que diminui o risco de oxidação e aumenta sua eficácia.

Embora ele tenha surgido como alternativa para evitar o aumento do fluxo menstrual e das cólicas, a maioria dos médicos relata que esse efeito não é observado na prática clínica, nem em estudos.

Principais pontos do DIU de Prata:

  • Formato de “Y” proporciona maior conforto na inserção e remoção do dispositivo no útero
  • A prata estabiliza o cobre e não o deixa oxidar
  • Pode ser usado de 5 a 10 anos

DIU hormonal

O DIU Hormonal (Mirena) contém um hormônio, que vai sendo liberado no útero após a sua inserção. Diferentemente dos modelos citados anteriormente, esse tipo não deixa a mulher menstruar, porém, podem ocorrer pequenos sangramentos esporádicos.

Além disso, a vantagem dele é que pode ser usado como tratamento de algumas doenças, como mioma e endometriose.

Principais pontos do DIU Hormonal:

  • Não deixa a mulher menstruar
  • Pode tratar algumas doença ginecológicas
  • Pode ser usado por até 5 anos

Quem pode usar?

Basicamente, todas as mulheres em fase reprodutiva podem usar o DIU, desde que não possuam infecções uterinas importantes, malformação uterina, câncer de colo de útero e distúrbios de coagulação.

Ao contrário das pílulas contraceptivas, o DIU não aumenta os riscos de trombose. “Na verdade, ele é um dos métodos mais indicados para as mulheres que já possuem uma propensão a ter esse tipo de problema”, afirma Torras.

Preços

O modelo de cobre pode ser encontrado a partir de R$ 100. Já o DIU Hormonal custa entre R$ 600 e R$ 1.200, mas é necessário contabilizar também o custo do procedimento de inserção, que varia dependendo do valor cobrado pelo médico.

Acesso pelo SUS

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza o DIU de Cobre nas Unidades Básicas de Saúde e nos hospitais públicos sem nenhum custo. As mulheres interessadas devem procurar uma unidade da rede pública mais próxima e levar o cartão do SUS.

O primeiro passo é agendar uma consulta com um ginecologista. Feito isso, esse médico irá encaminhar a paciente para uma consulta de planejamento familiar, onde serão apresentados todos os métodos contraceptivos disponíveis. Se o DIU for a opção mais indicada para essa mulher, ela passará por exames antes de agendar a colocação do dispositivo.

Plano de Saúde

O procedimento também pode ser feito por meio de cobertura do plano de saúde.  Segundo resolução de 2009 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), os planos devem cobrir ou reembolsar tanto o procedimento quanto o dispositivo Mirena.

Compartilhe:

Tags: #gravidez
1
Brasil registra primeira suspeita de coronavírus
Em nota, a Secretária de Saúde do Estado de Minas Gerais confirmou a primeira suspeita de coronavírus, doença misteriosa que …
2
Doença desconhecida preocupa médicos e autoridades na China
Uma pneumonia viral e com causas desconhecidas tem despertado a atenção de médicos, especialistas e autoridades na cidade Wuhan, região …
3
Fone de ouvido: o que ele pode causar na sua audição
Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 50% da população entre 12 e 35 anos corre o risco …
4
Câncer de próstata: saiba o que é e como se prevenir da doença
O câncer de próstata é o segundo tipo de tumor mais comum entre os brasileiros. De acordo com informações do …
5
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
6
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
7
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
8
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …