Últimas notícias:

Loading...

Estética x saúde: Brasil é líder em cirurgia íntima feminina

Por: Redação

A preocupação com a saúde e estética da região íntima vem crescendo entre as brasileiras.

É o que apontam dados levantados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em 2016, indicando que 25.031 mulheres já realizaram a cirurgia plástica vaginal.

Crédito: Getty Images/iStockphoto 25.031 mulheres já realizaram a cirurgia plástica vaginal no Brasil

Já a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) indica que o Brasil é líder nesse tipo de cirurgia, realizando quase o dobro de procedimentos do que os Estados Unidos, país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo, como aponta matéria do Minha Vida, parceiro do Catraca Livre.

A maior busca é pela lipoaspiração do monte de vênus e a ninfoplastia, que consiste na redução dos pequenos lábios.

Outro procedimento que vem se tornando cada vez mais popular entre as brasileira é peeling de clareamento da área íntima, que pode ser feito na virilha, na parte externa dos grandes lábios e no monte de vênus.

A dermatologista Livia Pino, conta que este procedimento dá um aspecto mais homogêneo à região, mas grande parte das pacientes faz o tratamento para deixar a área com aparência mais nova, o que pode estar desalinhado com características naturais.

“Antes de realizar qualquer procedimento estético, ter uma conversa com o paciente é fundamental para entendê-lo. Uma das contraindicações relativas de procedimentos estéticos é a expectativa fora da realidade”, destaca.

Padrão de beleza x saúde

A ginecologista Dra. Milca Chade diz que esse tipo de cirurgia é indicado principalmente para casos de:

  • hipertrofia dos lábios vaginais (lábios vaginais grandes), que podem causar corrimento e também desconforto na relação;
  • atrofia vaginal (‘secura da menopausa’), que pode alterar a qualidade de vida da mulher e também causar;
  • dificuldade na relação sexual por falta de lubrificação; correção de cicatriz, um fator que pode causar dor;
  • desconforto na relação sexual e prejudicar a autoestima da mulher;
  • e o HPV, que pode ser tratado com o uso do laser vaginal.
Crédito: Getty ImagesCirurgia é indicada quando paciente tem incômodos que influenciam no seu dia a dia, bem-estar e saúde 

Se não há nenhum desses problemas – ou outro – que influencie no dia a dia e o bem-estar, e ainda assim a mulher quer realizar esse tipo de cirurgia, a sexóloga e psicóloga especializada em sexualidade humana Priscila Junqueira diz que é importante entender o motivo desse desejo.

“Esse sentimento pode surgir por diversos fatores, inclusive pelos modelos idealizados de corpos que surgem na mídia, tanto impressa, quanto digital”, conta.

Segundo ela, a insatisfação com a área íntima também pode chegar a interferir na sexualidade da mulher. Priscila diz que, em alguns casos, é adequado a busca de ajuda profissional para entender qual o significado dessa cirurgia para a mulher. Leia a matéria completa.

Compartilhe: