Últimas notícias:

Loading...

Estudo revela qual doença mental pode triplicar gravidade da covid-19

Estudo feito nos Estados Unidos envolveu 26.540 pacientes

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Um estudo publicado na revista científica “JAMA Psychiatry” descobriu que uma doença de ordem mental pode triplicar a gravidade da covid-19 e o risco de morte em decorrência da doença causada pelo novo coronavírus. De acordo com os pesquisadores, quem sofre de esquizofrenia precisa redobrar os cuidados, já que a probabilidade desse paciente morrer por covid-19 é quase 2,7 vezes maior.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram ao todo 26.540 pacientes. Desses 7.348 mil estavam infectados pelo coronavírus.

esquizofrenia

Esses pacientes foram divididos em três categorias: 1) com transtornos do espectro esquizofrênico; 2) transtornos de humor e 3) transtornos de ansiedade generalizada. Os resultados da doença foram comparados a outros infectados pela covid-19 sem os sintomas.

Os pesquisadores descobriram que  não houve ligações entre transtornos de humor e ansiedade generalizada com morte por coronavírus, diferente do que foi observado entre os paciente com esquizofrenia.

Apesar da descoberta, os pesquisadores chamam atenção para o fato de que a redução de expectativa de vida em pacientes com esquizofrenia geralmente está ligada a outros fatores médicos, e, portanto, são necessários estudos mais aprofundados.

O que é esquizofrenia?

A esquizofrenia é um transtorno mental grave no qual as pessoas interpretam a realidade de maneira anormal. A esquizofrenia pode resultar em alguma combinação de alucinações, delírios e pensamentos e comportamentos extremamente desordenados que prejudicam o funcionamento diário e podem ser incapacitantes.

Pessoas com esquizofrenia requerem tratamento pelo resto da vida. O tratamento precoce pode ajudar a manter os sintomas sob controle.

Nos homens, os sintomas da esquizofrenia geralmente começam entre os 20 e poucos anos. Nas mulheres, os sintomas geralmente começam no final dos anos 20. É incomum que crianças sejam diagnosticadas com esquizofrenia.

Compartilhe: