HIV: sintomas, prevenção e onde fazer o teste

Todas as pessoas estão sujeitas à infecção pelo HIV, por isso a informação é fundamental para que possamos diminuir os casos

Por: Redação Comunicar erro

HIV é um termo em inglês para o vírus da imunodeficiência humana (human immunodeficiency virus). Ele é o causador da AIDS e ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças.

O HIV é uma doença sexualmente transmissível (DST) e também pode ser contraída no contato com sangue infectado ou de forma vertical, no caso de mulheres soropositivas grávidas.

amostras de sangue para teste de hiv
Crédito: iStock/@amphotoraTodas as pessoas estão sujeitas à infecção pelo HIV, por isso a informação é fundamental para que possamos diminuir os casos

Não há cura para o HIV, mas existem remédios que reduzem bastante a progressão da doença. Eles são chamados de coquetéis antirretrovirais e são responsáveis pela queda no número de mortes em decorrência da infecção em todo o mundo.

HIV não é AIDS

É preciso dizer: todo mundo que tem AIDS tem HIV, mas nem todo mundo que tem HIV tem AIDS.

Em termos claros, a AIDS só acontece quando a pessoa infectada pelo HIV tem seu sistema imunológico afetado drasticamente pelo vírus, fazendo com que a pessoa fique suscetível a infecções de outras doenças, como câncer e tuberculose.

Mas não é tão simples uma coisa se tornar outra. A infecção evolui quando a pessoa não é tratada e sua imunidade vai diminuindo ao longo do tempo.

cubos brancos e vermelhos com letras formando as palavras hiv e aids
Crédito: iSotck/@porcorexO tratamento antirretroviral visa impedir a progressão da doença para AIDS.

Por isso, quando alguém é diagnosticado como soropositivo, é fundamental dar início ao tratamento antirretroviral, que visa impedir a progressão da doença para AIDS.

Como pega HIV?

O HIV é transmitido principalmente por relações sexuais sem o uso de camisinha ou quando dependentes químicos que compartilham seringas e agulhas contaminadas com sangue.

A transmissão vertical é quando a mulher soropositivo grávida passa o vírus para o bebê na gestação ou no momento do parto. É possível também que ela transmita o HIV na amamentação. Todos esses casos podem ser prevenidos com o tratamento correto.

Uma via de contaminação mais rara, mas que pode acontecer, é a transfusão de sangue. Esses casos são mais difíceis pois os centros médicos possuem protocolos de testagem rígidos – e polêmicos, como no caso da proibição da doação de sangue por pessoas LGBTs.

Como não pega HIV?

Mesmo com as ações de órgãos públicos para desmistificar o tabu em torno do assunto, há inúmeros mitos sobre HIV que ainda circulam por aí, como as formas de transmissão do vírus.

casal gay negro se beijando
Crédito: iStock/@filipefrazaoMITO: Beijo não transmite HIV!

Então, vamos reforçar que não se pega HIV quando:

  • Faz sexo com camisinha;
  • Se masturba junto com seu parceiro(a) soropositivo ou não;
  • Beija no rosto ou na boca de alguém soropositivo ou não;
  • Tenha contato com suor e lágrima de alguém soropositivo ou não;
  • For picado por um inseto;
  • Aperto de mão ou abraça alguém soropositivo ou não;
  • Compartilha sabonete, toalha e/ou lençóis de alguém soropositivo ou não;
  • Compartilha talheres e/ou copos;
  • Compartilha assento de ônibus;
  • Utiliza a mesma piscina ou banheiro;
  • Doa sangue – é raro, lembra?;
  • Respira o mesmo ar de alguém soropositivo ou não.

Sintomas

Uma pessoa pode ser soropositiva e não manifestar sintomas ou desenvolver a AIDS, sabia?

Existe também o período chamado de janela imunológica, que é o período entre o contágio e o início de produção dos anticorpos pelo organismo.

mão segurando um tube de amostra de sangue de teste de hiv
Crédito: iStock/@mrtom-ukFique atento: a infecção pelo HIV evolui para AIDS quando a pessoa não é tratada e sua imunidade vai diminuindo ao longo do tempo

Nesse período, não há detecção de positividade nos testes, porque os anticorpos ainda não se manifestaram contra o vírus. A janela pode variar de 30 a 60 dias.

Fique atento! Embora nesse período a pessoa não seja identificada como HIV positivo, ela já é transmissora.

Mas quais são os sintomas visíveis?

Boa parte das pessoas soropositivas desenvolvem alguns sintomas parecidos com os de um resfriado, um ou dois meses após a infecção do HIV, entre eles:

  • Febre
  • Mal-estar
  • Manchas vermelhas pelo corpo
  • Aumento dos linfonodos, ou ínguas
  • Dores de cabeça
  • Dor nos músculos
  • Erupção cutânea
  • Calafrio
  • Dor de garganta
  • Úlceras orais ou úlceras genitais
  • Dor nas articulações
  • Sudorese noturna
  • Diarreia
  • Tosse
médico fazendo teste de hiv em paciente
Crédito: iStock/@Alex LevineÉ fundamental fazer o teste de HIV de 6 em 6 meses

Esta é a fase primária ou aguda pode durar por algumas semanas e é bastante perigosa, uma vez que a infecção pode passar desapercebida e a carga viral (quantidade de vírus no sangue) é bastante alta.

Depois deste período os sintomas podem desaparecer espontaneamente por vários anos antes do HIV ser diagnosticado.

Prevenção

Todas as pessoas estão sujeitas à infecção pelo HIV. O vírus não faz distinção de gênero, idade ou orientação sexual. Por isso, é preciso que todo mundo se conscientize e tome os cuidados necessários para evitar o contato com as formas de transmissão.

pacote de camisinha aberto com uma camisinha dentro
Crédito: iStock/@selimaksanA camisinha é a principal forma de prevenção contra o HIV

O primeiro cuidado é usar camisinha em todas as suas relações sexuais. É importante também não compartilhar agulhas e seringas ou reutilize objetos perfurocortantes no geral.

No caso de violência sexual, comunique as autoridades o quanto antes e vá a um hospital, de preferência especializado, para que eles possam ministrar os remédios de profilaxia de infecção pelo HIV ou outras doenças sexualmente transmissíveis (DST).

As chances de não se desenvolver essas doenças quando a profilaxia é feita poucas horas após o ato é muito maior.

Falando em profilaxia…

Apesar desse nome difícil, as profilaxias são algo positivo e se tornaram mais uma forma de prevenção contra a transmissão do HIV. Atualmente há dois tipos de profilaxia: a PEP e a PrEP.

A Profilaxia Pós-exposição (PEP) é um método de prevenção complementar ao sexo seguro. Ela é indicada para pessoas que se expuseram a situações sexuais de risco para infecção pelo HIV: falha no uso ou ainda rompimento de preservativos.

foto de comprimido de prep em destaque com a palavra HIV ao fundo
Crédito: iStock/@magannO uso correto da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) impede a infecção do organismo com o vírus do HIV

O tratamento dura 28 dias e se mostrou eficiente em evitar a infecção por HIV em até 72 horas após uma relação sexual de risco. Ela deve ser utiliza apenas sob prescrição médica.

Já a Profilaxia Pré-exposição (PrEP) é uma estratégia de prevenção que envolve a utilização de um medicamento antirretroviral, por pessoas não infectadas, para reduzir o risco de aquisição do HIV através de relações sexuais.

O medicamento age no corpo bloqueando o ciclo da multiplicação do vírus, impedindo a infecção do organismo.

Vale lembrar que ambos os métodos não substituem o uso da camisinha, pois as profilaxias apenas previnem o HIV e não as demais DST, como Sífilis, Gonorreia e HPV.

Testes de HIV

TESTE HIV/Aids: um passo decisivo para a sua saúde

Você sabia que fazer o teste de HIV/Aids é um passo decisivo para a sua saúde e de seus companheiros? Fomos ao CRT DST/Aids SP – Centro de Referência e Treinamento DST/Aids – SP mostrar como é tranquilo realizar a testagem. Tire o peso da dúvida, faça o teste! É rápido, sigiloso e GRATUITO! Confira os serviços públicos de saúde que realizam o exame >> http://bit.ly/2hLU5vg

Publicado por Catraca Livre en Martes, 15 de mayo de 2018

Para diagnosticar e prevenir doenças sexualmente transmissíveis, o Governo Federal disponibiliza diversos serviços de saúde. Chamados de Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA), esses locais realizam testes para HIV, de sífilis e hepatites B e C de forma gratuita.

Existem, no Brasil, dois tipos de testes: os exames laboratoriais e os testes rápidos. Os testes rápidos podem ser realizados com a coleta de uma gota de sangue ou com fluido oral e fornecem o resultado em, no máximo, 30 minutos.

O teste de HIV deve ser feito com regularidade, recomenda-se ser feito de seis em seis meses, e sempre que você tiver passado por uma situação de risco, como ter feito sexo sem camisinha.

É muito importante que você saiba se tem HIV para buscar tratamento no tempo certo, possibilitando que você ganhe muito em qualidade de vida.

Nesta matéria, listamos os serviços públicos de saúde que realizam o exame.

1
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
2
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
3
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
4
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …
5
04:43
Quais são os sintomas da Esquizofrenia?
A esquizofrenia é um dos tipos da psicose, que é um sintoma que descreve condições que afetam a mente. Hoje, o …
6
03:10
Como os fatores sociais impactam a expectativa de vida
Saneamento básico e desemprego são alguns dos fatores que podem impactar diretamente com a nossa longevidade. Hoje, a Dra. Aline de …
7
01:28
Psicose: saiba como identificar
Pensamentos vagos e incoerentes? Como identificar um surto psicótico? Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, fala sobre os sintomas da …
8
02:11
Saiba como identificar os sintomas da diverticulite
A diverticulite tem se tornado uma doença comum, principalmente para pessoas acima dos 60 anos. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …