Últimas notícias:

Loading...
EM ALTA

Estudo descreve caso de mulher que quase morreu durante orgasmo

A mulher sofreu um vazamento na aorta durante o sexo, o que pode ter sido um resultado da hipertensão

Por: Redação

Um novo estudo médico publicado na revista American Journal of Case Reports detalha o caso de uma mulher de 45 anos do estado do Mississippi, nos Estados Unidos, que quase morreu durante um orgasmo.

De acordo com os médicos do hospital Merit Health Wesley, a paciente sofreu um vazamento na aorta – a principal artéria do corpo humano.

Crédito: American Journal of Cases ReportTomografia computadorizada do tórax mostrando hematoma intramural da aorta

Ela sentiu a estranha sensação de estalo quando atingiu o clímax, que foi acompanhada por uma dor repentina perto de seu coração.

“A paciente estava tendo relações sexuais com o marido e, durante o orgasmo, sentiu um ‘estalo’ no peito com radiação nas costas”, detalhou o relatório do estudo. “Ela afirmou que suas pernas estavam pressionadas contra o peito dela [durante o orgasmo].”

Além disso, de acordo com a revista médica, ela apresentou náusea e falta de ar e precisou ser atendida com urgência.

E quando os profissionais de saúde verificaram seus sinais vitais, a mulher estava com o nível de  pressão arterial alarmante de 220/140 mmHg – em média, a pressão arterial saudável para uma mulher de 40 anos é de cerca de 120/80.

Os médicos encontraram um vazamento em sua aorta, a maior artéria que transporta sangue pelo corpo, que tem mais de uma polegada de diâmetro.

tomografia
Crédito: American Journal of Cases ReportTomografia mostra hematoma da aorta

Segundo os especialistas, isso foi fruto de um hematoma intramural aórtico, que pode levar a uma ruptura completa da aorta se não for tratada, o que mata até 40% dos pacientes instantaneamente.

Esse evento geralmente ocorre em uma área da aorta que foi enfraquecida ao longo do tempo, o que pode ser devido à pressão alta.

A paciente tinha um histórico médico de hipertensão e foi fumante por 17 anos. Ela recebeu alta três dias depois, após receber medicamento para baixar a pressão arterial.

Síndrome aórtica aguda

A condição conhecida como síndrome aórtica aguda ou AAS está no espectro de doenças graves com risco de vida, de acordo com o relatório. Ela abrange três condições: dissecção aguda da aorta (DAA), hematoma intramural (HMI) e úlcera penetrante da aorta (UPA).

O reconhecimento e o diagnóstico precoces são primordiais devido à natureza crítica do tempo da progressão da doença.

Fatores que predispõem a Síndrome Aórtica Aguda incluem:

  • Hipertensão
  • Fumar
  • Altos níveis de gordura na corrente sanguínea (hiperlipidemia)
  • Uso de cocaína
  • Distúrbios do tecido conjuntivo, por exemplo, síndrome de Marfan, síndrome de Ehlers-Danlos, síndrome de Turner
  • Doença valvular hereditária, como válvula aórtica bicúspide ou coarctação da aorta
  • Inflamação vascular – autoimune –Infecção – sífilis

Os pesquisadores descobriram que os homens na faixa dos 60 anos geralmente sofrem de problemas aórticos ou outros problemas relacionados ao coração durante o sexo em uma taxa maior do que as mulheres.

“Os homens têm uma incidência 2:1 maior de desenvolver EAA, e a idade de pico do diagnóstico é mais tarde na idade adulta, por volta dos 65 anos”, explicou o relatório.

“O risco de morte súbita cardíaca também mostra padrões semelhantes, com uma incidência relatada em 0,19% em homens e 0,16% em mulheres, frequentemente observada durante a masturbação, interação sexual com prostitutas ou atividade sexual extraconjugal”.

Compartilhe:

Tags: #Doença #Sexo
?>