Últimas notícias:

Loading...

Poluição está ligada a maior nível de estresse e outras doenças

Por: Redação

O ar poluído de todos os dias (especialmente nas grandes cidades) pode estar ligado ao aumento dos casos de estresse, como aponta pesquisa da Universidade Fudan, em Xangai, China, como aponta matéria da Reuters Health.

Crédito: Getty Images/iStockphotoPesquisa analisou os efeitos sobre a saúde da matéria em partículas (PM)

Segundo o estudo, respirar o ar impuro faz com que os hormônios do estresse aumentem, o que poderia ajudar a explicar por que a exposição a longo prazo à poluição está associada a doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes e a uma diminuição da expectativa de vida.

Haidong Kan, que liderou a pesquisa, e colegas da Universidade Fudan, analisaram especificamente os efeitos sobre a saúde da matéria em partículas (PM), pequenas partículas com menos de 2,5 micrómetros de diâmetro, de fontes industriais, que podem ser inaladas e alojadas nos pulmões . Enquanto os níveis de PM diminuíram na América do Norte nos últimos anos, eles estão aumentando em todo o mundo.

“Esta pesquisa acrescenta novas evidências sobre como a exposição à PM pode afetar nossos corpos, o que pode (em última instância) levar a um maior risco cardiovascular. O resultado [do levantamento] pode indicar que a matéria em partículas pode afetar o corpo humano de mais maneiras do que pensamos. Assim, é cada vez mais necessário que as pessoas compreendam a importância de reduzir a exposição à PM”, observa Kan.

O estudo, publicado na edição de agosto da Circulation, acompanhou 55 estudantes universitários saudáveis ​​em Xangai, na China, cidade com níveis de poluição na faixa média em comparação com outras cidades chinesas, de acordo com Haidong.

Os pesquisadores colocaram purificadores de ar que funcionavam e que não funcionavam no dormitório de cada aluno por nove dias. Após um período de 12 dias, durante o qual os filtros foram removidos, os pesquisadores fizeram outro teste de nove dias, trocando os grupos que receberiam os filtros ativos e não ativos.

Ao fim de cada período de nove dias, foram realizados testes dos níveis de uma ampla gama de pequenas moléculas no sangue e na urina dos alunos como indicação da exposição aos PM.

Os níveis dos hormônios do estresse cortisol, cortisona, epinefrina e norepinefrina aumentaram no grupo que respirou ar mais sujo, assim como seus níveis de açúcar no sangue, aminoácidos, ácidos graxos e lipídios. A maior exposição à PM também foi associada a uma pressão arterial mais alta, uma pior resposta à insulina e marcadores de estresse molecular nos tecidos do corpo – o que pode, ao longo do tempo, aumentar o risco de doença cardíaca, diabetes e outros problemas.

No entanto, quando o purificador de ar estava ativo, a exposição à PM caiu para menos da metade, de 53 microgramas por metro cúbico de ar para 24,3 microgramas, o que, ainda assim, está bem acima da Diretriz de Qualidade do Ar da Organização Mundial da Saúde, que é de 10 microgramas por metro cúbico.

Robert D. Brook, da Universidade de Michigan, em Ann Arbor, coautor de um editorial que acompanha o estudo alega que: “Ações simples, incluindo o uso de purificadores de ar com filtros HEPA, podem reduzir substancialmente as exposições e ajudar a diminuir os efeitos nocivos da saúde (das PM) em poucos dias”.

Ele acrescenta que as descobertas “ajudam a preparar o cenário para o que acreditamos ser urgentemente necessário agora – evidência do ensaio clínico de que as ações de nível pessoal (purificadores de ar, respiradores N95) podem realmente reduzir eventos cardiovasculares e mortalidade entre os pacientes de alto risco que vivem Em países altamente poluídos”.

Compartilhe:

Tags: #Doença