Risco de doenças cardiovasculares aumenta no inverno

Artérias se contraem para preservar o calor do corpo, o que eleva chances de infarto ou AVC; dica é ficar de olho nos sintomas e manter hábitos saudáveis

Por: Redação Comunicar erro

A música do Roberto Carlos pedia: “Quero que você me aqueça nesse inverno”. De fato, é uma época do ano que pede um olhar mais carinhoso para as questões do coração. Literalmente, aliás. Afinal, segundo a American Heart Association, associação americana que trata do órgão, os riscos de surgirem doenças cardiovasculares aumentam de 20% a 25% nessa estação.

Nos dias mais frios do ano, é preciso tomar mais cuidado com as doenças cardiovasculares
Crédito: IStock/onsudaNos dias mais frios do ano, é preciso tomar mais cuidado com as doenças cardiovasculares

Então, nada melhor que cuidar do coração com um afeto especial nos dias mais frios. E são as baixas temperaturas, mesmo, as responsáveis por essa necessidade.

Quando os termômetros acusam que o clima pede cobertores a mais, um fenômeno natural do organismo provoca a contração das artérias – justamente para preservar o calor do corpo, conforme explica o cirurgião cardíaco Élcio Pires Júnior, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular.

“A vasoconstrição reduz o fluxo sanguíneo e aumenta a pressão arterial”, diz o médico. “Isso faz com que o coração realize um esforço maior nos dias mais frios para manter o equilíbrio térmico.”

Atenção aos sinais

Soma-se a esse mecanismo corporal o aumento da poluição nos grandes centros, causado pela falta de chuva, e pronto: o peito fica mais fragilizado.

E não só ele: o enrijecimento das artérias faz aumentarem também as chances de ter um AVC (acidente vascular cerebral).

Assim, sobretudo quem está exposto a fatores de risco como tabagismo, sedentarismo e obesidade deve ficar mais atento a sinais como dor ou aperto no peito, falta de ar, dor de cabeça e formigamento em braços e pernas.

5 BONS MOTIVOS PARA LARGAR O CIGARRO DE VEZ

Em relação às precauções habituais contra doenças cardiovasculares, a dica de Pires Júnior para os dias invernais é não deixar de praticar exercícios físicos por causa do frio.

E beber bastante água, o que é bom para a saúde como um todo – mesmo sentindo menos sede com a temperatura em queda. O líquido ajuda também a deixar o sangue menos viscoso e, portanto, menos suscetível à coagulação.

Além disso, convém não exagerar nas comidas calóricas e gordurosas. Embora elas ajudem a esquentar o corpo, podem sobrecarregar o coração.

Por sinal, se a ideia é aquecê-lo, a pedida pode ser mesmo ouvir a canção do Roberto a dois, aproveitando da melhor forma possível o friozinho da estação.

Compartilhe:

1
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
2
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
3
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
4
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …
5
04:43
Quais são os sintomas da Esquizofrenia?
A esquizofrenia é um dos tipos da psicose, que é um sintoma que descreve condições que afetam a mente. Hoje, o …
6
03:10
Como os fatores sociais impactam a expectativa de vida
Saneamento básico e desemprego são alguns dos fatores que podem impactar diretamente com a nossa longevidade. Hoje, a Dra. Aline de …
7
01:28
Psicose: saiba como identificar
Pensamentos vagos e incoerentes? Como identificar um surto psicótico? Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, fala sobre os sintomas da …
8
02:11
Saiba como identificar os sintomas da diverticulite
A diverticulite tem se tornado uma doença comum, principalmente para pessoas acima dos 60 anos. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …