Saiba qual o melhor momento para usar o DIU

Por: Redação | Comunicar erro

Conhecido como um dos métodos anticoncepcionais mais seguros usados pelas mulheres, o Dispositivo Intrauterino (DIU) é um aparelho em forma de “T” colocado na cavidade do útero, que apresenta funções além da anticoncepção.

Um exemplo é que ele pode ser utilizado como tratamento para casos de mioma, endometriose, adenomiose, menstruações abundantes e reposição hormonal durante a menopausa. No site Minha Vida, o ginecologista e obstetra Dr. Fabio Laginha explica as diferenças e os tipos de usos dos DIUs. Confira um trecho do artigo:

Existem várias explicações para o mecanismo de ação do DIU. As mais aceitas são que ocorre uma reação de corpo estranho dentro da cavidade uterina que é potencializada pelo cobre. Essa reação impede a gestação de duas maneiras: uma por dificultar a passagem dos espermatozoides pelo colo e cavidade uterina (a fecundação ocorre nas trompas); e a outra é que, se ocorrer a fecundação, o ovo fecundado não consegue se implantar ou, até mesmo, há um efeito tóxico diretamente sobre o ovo.

Reprodução
Os DIUs apresentam funções além da anticoncepção

Além da anticoncepção, o DIU medicado pode ser usado como tratamento e controle de algumas condições de saúde como mioma, endometriose, adenomiose (endometriose na espessura da parede uterina) e menstruações abundantes. Ele também pode ser usado na menopausa para complementar a reposição hormonal.

A quantidade de hormônio liberada na corrente sanguínea por esse DIU é por volta de dois comprimidos de anticoncepcional a base de progesterona por mês. Pode ser usado por adolescentes ou mulheres que não engravidaram. Junto com os implantes, esterilização masculina (vasectomia) e feminina (laqueadura) o risco de uma paciente engravidar, é muito pequeno, por volta de um caso em 500 mulheres em uso por ano. É um método alternativo às esterilizações com mais eficácia.

Os DIUs são ótimas opções para quem quer um método reversível em longo prazo e não conseguem ou podem usar pílulas por causa das reações e/ou interações com os hormônios como: tromboses, medicamentos anticonvulsivantes, determinados tipos de cânceres hormônio-dependentes.

Confira o texto completo no site Minha Vida.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:27
Escolhas que trazem longevidade
Se você pudesse escolher viver até os 100 anos, o que você faria? O Dr. João Paulo Nogueira, médico e fundador …
2
02:11
É importante tomar a vacina da hepatite?
O que é hepatite? e qual a importância em se vacinar contra esta doença? O Dr. Gonzalo Vecina, médico e fundador …
3
02:10
Como cuidar da saúde dos olhos
A saúde dos olhos depende de algum fator específico? A história de que comer cenoura faz bem para a visão, …
4
02:15
Os 3 níveis de estresse infantil
Quais são os níveis de estresses que uma criança pode ter? Como eles são classificados? A Dra. Ana Escobar, pediatra e …
5
06:25
O que você precisa saber sobre o HPV?
Quais os sinais que indicam o HPV? E como se prevenir deste vírus? A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra, fala …
6
03:04
O que fazer para ter uma boa velhice?
Quais hábitos podemos ter para chegarmos bem a terceira idade? O Dr. João Nogueira, médico e fundador do Horas da Vida, …
7
02:29
A relação da diabetes com a visão
Qual a relação da diabetes com a visão? Existe algum sintoma na região ocular que indica diabetes? O Dr. Julio Abucham, …
8
03:46
Alimentação infantil e o exagero da informação
Açúcar, sal, carne, são mesmo vilões para as crianças? Hoje, a Dra. Ana Escobar, pediatra e embaixadora do Horas da Vida, …